HISTÓRIA DE FÁTIMA 
» Aparições     » Os Pastorinhos     » Cronologia

 
 

Os Pastorinhos 
 
Pelos anos de 1916 e 1917 três inocentes crianças apascentavam seus mansos rebanhos nos outeiros da serra de Aire, na freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, então pertencente ao Patriarcado de Lisboa, hoje à Diocese de Leiria - Fátima. Chamavam-se Lúcia, Francisco e Jacinta.

Lúcia, nascida a 22 de Março de 1907, pela idade mais adiantada e pelas qualidades de inteligência, rapidez e deci­são, dominava o pequenino grupo dos outros dois pastori­nhos, seus primos.

Jacinta, vinda ao mundo a 11 de Março de 1910, era a mais nova e pequenita. Com seus olhitos claros, cabelos direitinhos e rosto muito belo, constituía o encanto e o centro de atracção dos pais e irmãos.

Francisco viu a luz da vida às 10 horas da noite de 11 de Junho de 1908, quase dois anos antes de sua irmã Jacin­ta. Nove dias depois, a 20 de Junho, o sino da rústica igreja paroquial bamboleava alegremente anunciando o baptizado do pequenino.
 

(…) Nesta escola de sobriedade, de piedade austera e santamente vivida, neste lar de virtudes patriarcais, de trabalho, honradez e simplicidade, nasceu o Francisco.

Era rapaz de cara redonda, de feições muito perfeitas, olhos vivos, bem constituído tendo apenas sofrido durante a vida inteira uma única doença, aquela que o levou à sepul­tura. Como os outros garotos da aldeia vestia pobremente calças compridas e casaquito curto. Na cabeça, típico e com­pridíssimo carapuço em forma de cone, que depois de lhe cobrir o cabelo, descia até ao ombro.

Lúcia assim descreve as fisionomias dos seus dois primos:
 
"O físico da Jacinta: Era do tamanho natural de uma criança de 6 anos; bem desenvolvida; de natural robusto; mais magra que gorda; cor tostada pelo ar e sol da serra; olhos grandes, castanhos, muito vivos, protegidos por gran­des pestanas e sobrancelhas pretas; olhar doce e meigo, ao mesmo tempo vivo. (O retrato que dela nos ficou, mostra-a com um olhar carregado; mas é porque esse retrato foi tira­do ao sol. Não era esse o seu olhar natural).

Esta mesma descrição pode servir para o Francisco, que no físico eram muito parecidos: Rosto mais sobre o redondo que comprido. Natural vivo, activo e bastante caprichoso [o da Jacinta], ao contrário de Francisco, que era de natural mais pacífico, dócil e condescendente".

O carácter parece tê-lo herdado do pai: meigo, humil­de, paciente, reflexivo, pouco falador, pacífico, equilibrado, aborrecendo por natureza o reboliço, o barulho e a alga­zarra. Era um filho da serra, de nervos calmos, de imagina­ção regrada, de alegria simples e franca. 
 

Pe. Fernando Leite           

In Francisco de Fátima