HISTÓRIA DE FÁTIMA 
» Aparições     » Os Pastorinhos     » Cronologia

 


Cronologia 
 
          
        

FÁTIMA-PORTUGAL-IGREJA-MUNDO

Cronologia de alguns factos

 

«…e não há meras coincidências nos desígnios da Providência divina…»

(João Paulo II na Saudação em Fátima, a 12 de Maio de 1982)

 

 

 

PRÉ-HISTÓRIA (da cristianização e de certas devoções portuguesas, e não só):

 

218 a. de Cristo: -primeira entrada de tropas romanas na Península Ibérica.

175-188: -primeiras referências a comunidades cristãs organizadas na Ibéria.

303-305: -primeiros mártires cristãos, de que há provas autênticas, durante a perseguição do Imperador   Romano Diocleciano, em várias cidades da Península entre as quais Braga (São Vítor) e Lisboa (os Santos Veríssimo, Máximo e Júlia).

711-714: -dá-se a islamização da Península.

1063: -pregação da primeira cruzada em Espanha pelo Papa Alexandre II. As terras reconquistadas, consagradas a Santa Maria, dir-se-ão (Terra) de Santa Maria.

1128: -27 de Maio: num documento de doação de terras a Santa Maria da Sé de Braga, na pessoa do seu Arcebispo, afirma D. Afonso Henriques: «Se alguém tentar violar esta doação, seja castigado por Deus e incorra na indignação da mesma Rainha Santa Maria». É já a afirmação da realeza de N. Sr.ª sobre Portugal, feita pelo futuro rei.

1138: -chegam ao território do futuro reino de Portugal, instalando-se em São João de Tarouca, os monges da Ordem de Cister (de São Bernardo de Claraval) vindos de França.

1140: -primeiros documentos em que aparece o uso do título de rei por D. Afonso Henriques: «rex Alphonsus, Portugalensium princeps» (rei Afonso, príncipe portugalense) ou; «Ego egregius rex Alphonsus gloriosissimi Yspani imperatoris nepos» (Eu, egrégio rei Afonso, neto do gloriosíssimo imperador da Hispânia).

1143: -Tratado de Zamora, pelo qual D. Afonso Henriques obtém de Afonso VII de Leão o reconhecimento da independência de Portugal.
 
                     -13 de Dezembro: uma carta régia coloca Portugal sob a protecção de S. Pedro e da Santa Sé.

1147: -12 de Março, três dias antes da conquista de Santarém: o rei português jura doar à Ordem de Cister as terras dali até ao mar, e fundar um Mosteiro caso obtivesse a vitória.

1152/3: -8 de Abril: para cumprimento do voto do rei, é criada a Real Abadia de Santa Maria de Alcobaça, instalando-se os monges de Cister num mosteiro provisório.

1178: -iniciam-se as obras do actual Mosteiro de Alcobaça, consagrado só em 1222, e cuja igreja ainda se mantém a maior de Portugal.

1179: -23 de Maio: com a bula Manifestis Probatum, o Papa Alexandre III louva os serviços prestados à Igreja pelo reino português e reconhece a D. Afonso Henriques o titulo de rei.

1249: -a conquista de Faro marca o fim da Reconquista cristã no território português.

1385: -13 de Agosto: D. Nuno Álvares Pereira, não longe do planalto onde se localiza Fátima, invoca solenemente a protecção de Santa Maria para a batalha que terá lugar no dia seguinte contra os castelhanos. Logo após a vitória vai em peregrinação a Santa Maria de Seiça (Sctã Maria de Çeiça dOurem, conforme se dizia na época) no seu condado de Ourém, tão perto de Fátima.
 

          -14 de Agosto, véspera da festa da Assunção de N. Sr: D. João I formula o voto de mandar elevar um Mosteiro em honra da Virgem, a cuja intercessão atribuirá a vitória da batalha de Aljubarrota.

          -Ainda Neste Mês: o rei D. João I, indo a pé a Guimarães, cumpre um voto a N. Sr.ª da Oliveira e oferece, em sinal de agradecimento pela vitória, o pelote (ou loudel) que vestira na batalha e um altar de prata dourada e promete, ainda, reconstruir a Igreja da Colegiada. (Ainda se podem observar essas ofertas no actualmente designado Museu de Alberto Sampaio, em Guimarães, antiga Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira).

 

1387/8: -iniciam-se as obras do Mosteiro de Santa Maria da Vitória (vulgo: da Batalha).

 

1388: -O Mosteiro, localizado não longe de Fátima -povoação de origem árabe já então existente, embora desolada e desconhecida- é entregue aos monges da Ordem dos Pregadores (vulgo: Dominicanos). (De lá saíram apenas em 1834! Devido ao Decreto de extinção e expulsão das Ordens religiosas). A um dominicano em particular -Alão de la Roche, no séc. XV- e aos pregadores da sua Ordem em geral, deve-se a difusão popular, pela Europa de então, do Rosário. O mesmo sucede pelas povoações da área de influência dos Dominicanos da Batalha.

 

1389: -é começada a edificação, em Lisboa, por ordem de D. Nuno Álvares Pereira, do convento da Ordem do Carmo, sob a invocação de N. Sr.ª do Vencimento do Monte do Carmo.

 

1393: -D. Nuno Álvares Pereira manda erigir a pequena capela de Santa Maria, no lugar onde estivera hasteada a sua bandeira. Esta capela foi terminada em 1431.

 

1401: -uma filha de D. Nuno Álvares Pereira, D. Brites, casa-se com D. Afonso, conde de Barcelos e duque de Bragança, filho bastardo de D. João I. Logo D. Nuno toma por padroeira da Casa de Bragança, a Nossa Senhora da Conceição, tendo ele mesmo oferecido, adquirida em Inglaterra, a imagem do Santuário em Vila Viçosa, constituindo-se assim o mais antigo Santuário daquela invocação em toda a Península.

 

14??: -o Infante D. Henrique funda a ermida de Santa Maria de Belém, no sítio do Restelo, «por serviço de Deus e de Seu Santo Nome e em louvor e reverência da Gloriosa Virgem Maria, minha Senhora, madre de meu Senhor Deus.» A primitiva imagem desta ermida encontra-se, hoje,  na Igreja da Conceição Velha, em Lisboa.

 

1502: -iniciam-se as obras do Mosteiro de Santa Maria de Belém, erigido por ordem de D. Manuel I, para agradecer a descoberta do caminho marítimo para a Índia, no local da antiga ermida fundada pelo Infante D. Henrique. O Mosteiro é entregue aos frades da Ordem de São Jerónimo (vulgo: Jerónimos).

 

1571: -7 de Outubro, Domingo: dá-se a brilhante vitória da Sagrada Aliança (de países fieis ao catolicismo romano), na batalha naval de Lepanto, comandada por D. João da Áustria , terminando o domínio naval dos turcos otomanos sobre o Mediterrâneo. O Papa, São Pio V, atribuindo a vitória à recitação do Rosário, institui a festa de Nossa Senhora da Vitória, todos os dias 7 de Outubro, dois anos mais tarde denominada festa do Santíssimo Rosário da Bem-aventurada Virgem Maria.

 

1646: -25 de Março, festa da Anunciação de N. Sr.ª: inspirado, talvez, por um sermão de frei João de S. Bernardino, pregado na capela real apenas oito dias após a Restauração de 1640, D. João IV, dando graças, renova solenemente a promessa de vassalagem feita a N. Sr.ª por D. Afonso Henriques; afirma querer venerar a festa da Imaculada Conceição; toma por padroeira dos seus «Reinos e Senhorios a Santíssima Virgem nossa Senhora da Conceição», oferecendo-Lhe, de novo, «a sua Santa Casa da Conceição sita em Vila Viçosa, por ser a primeira que houve em Espanha desta invocação»; e promete e jura «confessar e defender sempre (até dar a vida se necessário) que a Virgem Maria Mãe de Deus, foi concebida sem pecado original». Aclama-A Rainha de Portugal depondo a coroa real portuguesa aos pés daSua imagem do Santuário de Vila Viçosa, que se torna um lugar de intenso culto mariano, nos dias 8 de Dezembro.

          -28 de Julho: cerimónia do juramento, feito pelos lentes e estudantes da Universidade de Coimbra, de defenderem a imaculada conceição da Virgem Maria.

          -11 de Setembro: cartas para todas as Câmaras do País, a fim de ratificarem o acto das Cortes, elegendo para padroeira a Senhora da Conceição.

 

1654: -(precisamente dois séculos antas da proclamação do dogma) foram colocadas, em geral, às portas das cidades e vilas de Portugal, por ordem expressa de D. João IV de 30 de Junho, as lápides comemorativas do juramento de «que defenderia sempre que a Mãe de Deus, eleita Padroeira do Império, fora preservada da culpa original

 

1671: -9 de Maio: já no reinado de D. Pedro II, o Papa Clemente X confirma, pelo breve Eximia dilectissime a eleição da Padroeira. Na proclamação das Cortes de 1646, o rei tinha-se obrigado sujeitar-se à confirmação, pela «Santa See Apostolica», do acto de eleição da Padroeira.

 

1694: -o rei D. Pedro II confirma a Confraria dos Escravos da Senhora da Conceição, erecta na sua Igreja de Vila Viçosa.

 

 

17??: -por iniciativa de D. João V, começou a organizar-se em Lisboa uma Biblioteca Mariana, que devia abranger todas as obras

           escritas no mundo acerca de N. Sr.ª. Esta Biblioteca veio a ser destruída no terramoto de 1755.

 

1818: -6 de Fevereiro, aclamação solene de D. João VI: nesse mesmo dia é instituída a Ordem Militar (de Nossa Senhora)da Conceição (de Vila Viçosa). Na insígnia desta Ordem está inscrita a oiro sobre uma faixa azul-claro, a legenda: Padroeira do Reino.

 

1854: -8 de Dezembro: solene proclamação dogmática, pelo Papa Pio IX, da Imaculada Conceição da Virgem Maria que «…,foi preservada de toda a mácula do pecado original,…»

 

1858: -11 de Fevereiro a:

          -16 de Julho: serie de aparições da Virgem Maria a Bernardette Soubirous, em Lourdes, França. Em 25 de Março disse a Senhora: «Eu sou a Imaculada Conceição».

 

 

 

HISTÓRIA (dos factos e do contexto político nacional e internacional):

 

1905: -na China, fundação do Kuomintang (Partido Nacional do Povo).

 

1907: -28 de Março: nasce Lúcia de Jesus Santos, pelas 19:00 horas, em Aljustrel, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém. Filha de António dos Santos e Maria Rosa (notem-se, curiosamente, os nomes de sua mãe; são quase proféticos). Reinava D. Carlos I, já desde 1889, e governava João Franco do Partido Regenerador-Liberal, desde o dia 19 de Maio de 1906.

          -30 de Março: Lúcia é baptizada na igreja paroquial de Fátima.

 

1908: -28 de Janeiro: tentativa frustrada de assalto à Câmara Municipal de Lisboa, liderada por Afonso Costa, visconde da Ribeira Brava e José de Alpoim, com a finalidade de proclamarem a República.

          -1 de Fevereiro, Sábado, pelas 17:20 horas: são assassinados no Terreiro do Paço, em Lisboa, o rei D. Carlos I, com dois tiros de revólver nas costas; e o príncipe real D. Luís Filipe também com dois tiros, um no peito e outro na face saindo pela nuca. É aclamado rei D. Manuel II, que chama ao governo o almirante Ferreira do Amaral dominado pela ideia de «acalmação».

          -11 de Junho: às 03:00 horas da madrugada nasce Francisco Marto na mesma povoação de Aljustrel, filho de Manuel Pedro Marto e de Olímpia de Jesus, irmã do pai de Lúcia.

          -20 de Junho: é baptizado o Francisco, na igreja paroquial de Fátima.

 

1910: -11 (provavelmente no dia 5) de Março: às 16:00 horas, também em Aljustrel, nasce Jacinta Marto, irmã de Francisco.

          -19 de Março, festa de S. José: é baptizada, também na igreja de Fátima.

          -3 de Outubro, pelas 19:30 horas: D. Manuel II e a rainha-mãe D. Amélia, são informados pelo Presidente do Conselho de Ministros, António Teixeira de Sousa, de que a revolução republicana iria rebentar no dia seguinte.

                                  -Pelas 20:00 horas: última reunião dos conspiradores na rua da Esperança.

          -4 de Outubro: desde a madrugada e ao longo do dia há tiros e revoltas em vários locais de Lisboa e do Tejo. D. Manuel II vai para Mafra.

          -5 de Outubro, Quinta-feira, pelas 09:00 horas: membros do directório do Partido Republicano Português (fundado na década de 80 do séc. XIX), da varanda do edifício da Câmara Municipal de Lisboa, perante «uma pequena multidão», proclamam a República, que assumirá em breve um carácter fortemente anticlerical.

            De tarde, toda a família real parte, da Ericeira, para o exílio, a bordo do iate Amélia; primeiro rumo a Gibraltar e, depois, para Inglaterra.

            É nomeado um Governo provisório presidido «simbolicamente» por Teófilo Braga «mas cujos verdadeiros chefes eram os ministros do Interior (António José de Almeida), da Justiça (Afonso Costa), dos Negócios Estrangeiros (Bernardino Machado) e, um pouco mais tarde, do Fomento (Brito Camacho).»

          -8 de Outubro: «Apressa-se o governo a decretar (…) a extinção do ensino da doutrina cristã nas escolas primárias e normais primárias; a abolição do juramento religioso; (…) a reposição em vigor das leis (…) de 1759, (…) de 1767 e de 28 de Maio de 1834, sobre a expulsão de jesuítas e encerramento de conventos; e a anulação do decreto (…) de 1901 que autorizara a constituição de congregações religiosas (…).»

          -20 de Outubro: é suspensa a Nunciatura, retirando-se o Núncio da Santa Sé em Portugal, Mons. Júlio Tonti. Fica Mons. Aloísi Masella como secret e depois como auditor e encarregado (até Abril de 1919).

 

1911: -20 de Abril: consuma-se o rompimento com a Santa Sé pela Lei da Separação.

 

1912: -12 de Fevereiro: na China, abdicação da dinastia Manchu.

 

1913: -Pelo Verão: Lúcia, com apenas seis anos e meio, faz a Primeira Comunhão e por essa ocasião pede, perante uma imagem de Nossa Senhora do Rosário na igreja paroquial, para «que [N. Sr.ª] guardasse para Deus só, o seu pobre coração».

 

1914: -28 de Junho: o Arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austríaco, e sua Mulher, são assassinados em Sarajevo por um estudante bósnio.

          -28 de Julho: a Áustria-Hungria declara guerra à Servia, iniciando-se a I Guerra Mundial.

          -20 de Agosto: morre o Papa São Pio X. Sucede-lhe a:

          -3 de Setembro: Bento XV.

 

1915: -Abril a Outubro: «Lúcia e três companheiras: Teresa Matias, sua irmã Maria Rosa e Maria Justino vêem um anjo por três vezes. Pouco se conhece destas aparições».

 

1916: -9 de Março: a Alemanha declara guerra a Portugal. Era Presidente da República, Bernardino Machado e, Presidente do Conselho, Afonso Costa.

          -16 de Março: forma-se um Governo multipartidário, presidido por António José de Almeida, que ficou  conhecido como da União Sagrada.

          -Primavera/Verão e Outubro: as três aparições do Anjo: na Loca do Cabeço («Sou o Anjo da Paz»); no poço da casa da Lúcia («Sou o Anjo…de Portugal»); na Loca do Cabeço (Anjo da Eucaristia, que dá a Comunhão). Em cada uma destas três aparições há a referência ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria.

 

1917: -Janeiro: as primeiras tropas do Corpo Expedicionário Português partem para o teatro de guerra em França.

          -8 a 12 de Março (23 a 27 de Fevereiro do calendário Juliano, então em uso na Rússia): estala a revolução em São Petersburgo, sendo estabelecido um Governo provisório.

          -Ainda Em Março: abdicação do czar Nicolau II.

          -16 de Abril: regresso de Lenine à Rússia, do seu exílio na Suiça.

          -25 de Abril: em Portugal, Afonso Costa, do Partido Democrático, retoma a Presidência do Governo, com o País «num estado calamitoso de escassez de alimentos essenciais.»

          -5 de Maio, Sábado: Bento XV, preocupado com o evoluir da Guerra, entre outras medidas, escreve ao seu Secretário de Estado: «…queremos que, mais do que nunca, se volte viva e confiante para a Augusta Mãe de Deus a imploração dos seus filhos aflitíssimos. Em consequência, encarregamos V. E. de fazer conhecer ao Episcopado do mundo inteiro o Nosso ardente desejo de que se recorra ao Coração de Jesus, trono de graças, e que a esse trono se recorra por meio de Maria».

          -13 de Maio, Domingo, pelo meio-dia solar: aparição a Lúcia, de 10 anos; a Francisco, de 9; e a Jacinta, de 7 anos, na Cova da Iria, d’Aquela que se viria a identificar a Si mesma, em Outubro próximo, como a Senhora do Rosário. Referências ao Céu; ao Purgatório; à reparação pelos pecados; à conversão; é pedida a reza do Terçopela Paz e o fim da Guerra.

          -Em Roma, na Capela Sixtina, pela mesma hora, realiza-se a sagração episcopal daquele que viria a ser eleito Papa, em 2 de Março de 1939, com o nome Pio XII, posteriormente conhecido, também, pelo titulo de Papa de Fátima.

          -Em Lisboa, no Grémio Literário, pelas 13 horas, realiza-se uma sessão de homenagem a Magalhães Lima, Grão-Mestre da Maçonaria Portuguesa. Ao encerrar a sessão, Magalhães Lima, sensibilizado com a presença do representante do Grande Oriente da França, afirma: «a vitória dos Aliados há-de ser o triunfo dos princípios maçónicos.»

          -c. 27 de Maio: o pároco de Fátima, Padre Manuel Marques Ferreira, interroga pela primeira vez «as crianças que dizem ter visto N. Senhora.» Primeira descrição documentada da aparição: «…uma mulher em cima duma carrasqueira, vestida de branco,…»

          -13 de Junho, festa de St.º António: aparição, na Cova da Iria, aos três pastorinhos. Referências ao Terço; ao Imaculado Coração (de Maria); visão da Senhora com um coração cravado de espinhos sobre a palma da mão direita. (Afluem os primeiros peregrinos, curiosos. Entretanto, uma pobre camponesa da vizinha aldeia da Moita, Maria dos Santos Carreira, posteriormente conhecida por Maria da Capelinha, que soubera da aparição pelo seu marido e pelo pai de Lúcia, enfeita a pequena azinheira  (tinha um metro e pouco de altura) sobre a qual se deram as aparições, com flores e fitas; e, no mês seguinte, constrói com a ajuda do marido, uma vedação de pedras à sua volta e, ainda, o pórtico de barrotes de madeira com lanternas que se reconhecem nas fotografias da época. Fica, assim, desde logo, assinalado o local onde viria a construir-se a Capelinha das Aparições).

          -p.14 de Junho: o pároco de Fátima interroga Lúcia sobre a aparição do dia 13.

          -13 de Julho: aparição, na Cova da Iria, que é considerada a mais importante. Referências ao Terço pela Paz em honra de Nossa Senhora do Rosário; ao milagre de Outubro (do Sol) «que todos hão-de ver, para acreditar»; a sacrifícios pela conversão dos pecadores e em reparação; visão do Inferno; devoção ao Seu Imaculado Coração como meio de salvação; profecias sobre a II Guerra; que virá pedir a consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora; profecias sobre o expansionismo russo; afirmação de que Portugal conservará sempre o dogma da Fé; a seguir foi revelado o que se considera ser aterceira parte do segredo, ainda hoje assim mantido. (Ler declarações do Cardeal Ratzinger, Prefeito da Congregação da Doutrina da Fé, no ano de 1984: -Agosto; e da Irmã Lúcia, no ano de 1992: -dia 11 de Outubro).

          -14 de Julho: interrogatório do pároco de Fátima a Lúcia e a Jacinta sobre a aparição do dia anterior.

          -23 de Julho: primeiro artigo na imprensa referente aos acontecimentos da Cova da Iria, em O Século.

          -25 de Julho: reportagem no semanário católico de Leiria O Mensageiro.

          -11 de Agosto: Artur de Oliveira Santos, Administrador do Conselho de Vila Nova de Ourém (a que pertencia o lugar de Aljustrel, na freguesia de Fátima), chama a Ourém, Lúcia e seus pais; bem como a Jacinta, que não comparece, e os pais desta. São todos interrogados.

          -13 de Agosto: O Administrador do Conselho de Vila Nova de Ourém acompanhado do Padre Manuel Carreira Poças, prior em Porto de Móz, interroga de novo os videntes em suas casas, em Aljustrel. Apresentam-se seguidamente, pelas 10:00 horas, em casa do pároco de Fátima, para onde tinham convocado as crianças e seus pais. Após o interrogatório feito à Lúcia pelo pároco de Fátima, por sugestão do Administrador, dá-se o rapto e consequente prisão dos videntes, que são conduzidos a Vila Nova de Ourém. Entretanto, A Maria da Capelinha carrega de sua casa para a Cova da Iria uma mesa, afim de servir como uma espécie de altar, com jarras, flores e velas. Sobre essa mesa, começam a ser depositadas ofertas em dinheiro e géneros.

          -15 de Agosto, festa da Assunção de N. Sr.ª: os videntessão postos em liberdade, após interrogatórios e ameaças de tortura, senão mesmo tortura psicológica.

          -19 de Agosto, Domingo: aparição, no lugar dos Valinhos. Referências ao Terço; ao milagre de Outubro «para que todos acreditem»; à festa de Nossa Senhora do Rosário; à futura capela (das Aparições); aos sacrifícios pelos pecadores.

          -21 de Agosto: novo interrogatório do pároco de Fátima a Lúcia sobre a aparição «no sítio do Valinho». Ainda neste dia, o pároco interrogou também Jacinta em casa dos pais desta «acompanhado de cinco senhoras».

          -23 de Agosto: um decreto governamental expulsa o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Mendes Belo.

          -13 de Setembro: aparição, na Cova da Iria. Referências ao Terço pelo fim da Guerra; às visões que terão em Outubro; à moderação dos sacrifícios; e ao milagre em Outubro «para que todos acreditem». O Rev.º Cónego Dr. Manuel Nunes Formigão, professor do Seminário e do Liceu de Santarém, que nos seus escritos sobre Fátima virá a usar o pseudónimo de visconde de Montelo, vai pela primeira vez à Cova da Iria e, do alto da estrada, está presente no momento da aparição.

          -15 de Setembro: interrogatório do pároco de Fátima a Lúcia sobre a aparição do dia 13. A vidente Lúcia «…disse que no dia 13 viu a mesma mulher vestida de branco que lhe pareceu ser a mesma que viu das outras vezes; pouco mais viu que a cara para onde olhava continuamente para tomar sentido no que ela dizia;…»

          -27 de Setembro, pelas 15:00 horas: primeiro de uma série de longos e minuciosos interrogatórios aos videntes, feitos pelo Cónego Formigão, e que se prolongam até aos dias 2 e 3 de Novembro. O primeiro interrogatório, de que logo tirou apontamentos, realiza-se em Aljustrel, em casa de Maria Rosa, mãe de Lúcia; primeiro ao Francisco, depois à Jacinta e, por último, à Lúcia.

          -29 de Setembro: O Cónego Formigão escreve a primeira redacção literária do interrogatório do dia 27, a partir dos seus apontamentos.

          -11 de Outubro: segundo interrogatório do Cónego Formigão: ao filho do dono da casa em que se hospeda, à mãe da Lúcia, à Jacinta e ao Francisco e, por último, ao pai dos dois videntes mais novos.

          -13 de Outubro, Sábado: aparição, na Cova da Iria. Referências ao Seu desejo de que se edifique no local uma Capela em Sua honra; identifica-Se como a Senhora do Rosário; referência ao Terço; previsão do fim da Guerra e do regresso dos soldados; emenda de vida e perdão dos pecados; visão da Sagrada Família, de N. Srª das Dores e do Carmo; dá-se o chamado milagre do Sol visto por cerca de 40 a 70 mil pessoas, largamente referenciado pela imprensa da época e de que há relatos escritos por testemunhas presenciais. Ainda neste dia, já depois da aparição, pelas 19:00 horas, o Cónego Formigão interroga os videntes, em casa da família Marto, pela terceira vez.

          -15 de Outubro: o jornalista Avelino de Almeida, de O Século, publica a primeira reportagem da imprensa diária sobre: «Coisas Espantosas! Como O Sol Bailou Ao Meio Dia Em Fátima».

          -Neste Mesmo Dia 15: o Pároco de Fátima, Padre Manuel Marques Ferreira, oficia a Cúria Patriarcal de Lisboa (na pessoa do seu Administrador, D. João Evangelista de Lima Vidal, pois o Patriarca encontrava-se desterrado) a cuja Diocese pertencia, então, Fátima, pedindo orientações. Nesse ofício afirma o Pároco de Fátima: «…Esta freguesia tem sido desde Maio a esta parte teatro de admiráveis acontecimentos. Em todos os dias 13 de cada mês, três crianças desta freguesia dizem vêr Nossa Senhora (…) Não tenho dado parte ao Emm.º Prelado há mais tempo porque esperava, no dizer das crianças, a última Aparição que foi no dia 13 próximo passado. Julgo de máxima necessidade a nomeação de uma comissão para averiguação do que há…»

          -16 de Outubro: interrogatório do pároco de Fátima a Lúcia sobre os acontecimentos do dia 13.

          -19 de Outubro: D. João Evangelista de Lima Vidal, Arcebispo de Mitilene, incumbido do expediente dos assuntos eclesiásticos do Patriarcado de Lisboa após o exílio do Patriarca (cf. -23 de Agosto), envia um Ofício ao Padre Faustino José Jacinto Ferreira, vigário de Ourém a que pertencia Fátima, instruindo-o no sentido de receber «os depoimentos do maior número possível de pessoas fidedignas que tenham sido testemunhas presenciais dos factos ocorridos em Fátima, no dia 13 do corrente mês de Outubro.» Um Ofício idêntico é enviado ao Padre Joaquim Vieira da Rosa, vigário de Porto de Mós.

          -Neste Mesmo Dia 19: os três videntes são interrogados, em casa da família Marto, pelo Padre José Ferreira de Lacerda, fundador e director do semanário católico do distrito de Leiria O Mensageiro.

          -Neste Mesmo Dia 19: quarto interrogatório do Cónego Formigão aos três videntes. Toma apontamentos.

          -22 de Outubro: um grupo de homens de Santarém a que se juntaram mais alguns de Vila Nova de Ourém, pela noite, deitam abaixo tudo o que constitui o Santuário nascente, e carregam-no numa camioneta: os três barrotes do pórtico, a mesa, as lanternas, as jarras e duas pequenas cruzes. A azinheira das aparições não a levaram por já então estar reduzida a um pequeno tronco, nu de ramos, que os peregrinos entretanto levavam como recordação ou relíquia. (Esta acção vem relatada no Diário de Notícias de 25/10/1917, n’O Século do dia 26 e, na Ordem do dia 27).

          -25 de Outubro: são recolhidos pelo vigário de Porto de Mós, dando cumprimento à determinação do Arcebispo de Mitilene (cf. -19 de Outubro), os depoimentos de dezasseis testemunhas que presenciaram os acontecimentos de 13 de Outubro. O documento é enviado para o Patriarcado de Lisboa a 11 de Novembro seguinte.

          -28 de Outubro: O Século publica um protesto contra o assalto do dia 22 ao local das aparições, dirigido ao Ministro do Interior pelo Cónego Formigão, em nome dos católicos de Santarém.

          -29 de Outubro: a Ilustração Portuguesa publica fotografias com vários aspectos da multidão no dia 13 de Outubro, na Cova da Iria; e um artigo de Avelino de Almeida intitulado: «O Milagre de Fátima».

          -2 de Novembro: quinto interrogatório pelo Cónego Formigão aos videntes: Lúcia e Jacinta (por duas vezes), ao Francisco; e ao irmão dos dois últimos, chamado João.

          -3 de Novembro: sexto interrogatório do Cónego Formigão; apenas à Lúcia.

          -Neste Mesmo Dia 3: o Administrador do Patriarcado de Lisboa, D. João de Lima Vidal, responde ao Pároco de Fátima (cf. dia 15 de Outubro) pedindo-lhe que ele próprio faça «um inquérito consciencioso sobre os factos ocorridos nessa paróquia (…) ouvindo testemunhas fidedignas, e principalmente as crianças que se dizem favorecidas de graças singulares do Céu.»

          -6 e 7 de Novembro (24 e 25 de Outubro do calendário Juliano): dá-se, na Rússia, a Revolução de Outubro, com a tomada do poder pelos comunistas bolcheviques.

          -Neste Mesmo Dia 7: carta do Cónego Formigão ao pároco do Olival e vigário de Ourém, Rev. Padre Faustino José Jacinto Ferreira, em que faz referências aos «vários depoimentos» dos videntes.

          -8, 15, 22 e 29 de Novembro: o jornal O Mensageiro, publica o interrogatório, com uma introdução e conclusões, feito pelo Padre Lacerda aos videntes (cf. -19 de Outubro). É, talvez, a edição mais antiga relatando as aparições, fundamentada num interrogatório.

          -5 de Dezembro: rebenta em Lisboa uma sublevação militar centrada na pessoa do major Doutor Sidónio Pais.

          -7 de Dezembro: é preso à ordem duma Junta Revolucionária, o Presidente da República Bernardino Machado, depois exilado.

          -8 de Dezembro: é preso o chefe do Governo, Afonso Costa. O Presidente da Junta, Sidónio Pais, faz uma proclamação solene em que começa dizendo: «Cidadãos! Venceu a República contra a demagogia.»

 

1918: -8 de Janeiro: o pároco de Fátima propõe a construção de uma capela no local das aparições, pedida por uma comissão de paroquianos, em carta ao Cardeal Patriarca de Lisboa.

          -17 de Janeiro: oPapa Bento XV, pelo breve Quo Vehementius, restabelece a Diocese de Leiria, sendo nomeado 1º Vigário Geral, Mons. João Quaresma, então Pároco da Sé de Leiria.

          -28 de Abril, Domingo: Sidónio Pais é eleito Presidente da República por sufrágio universal. Institui-se a chamada Nova República.

          -16/17 de Julho, de noite: são assassinados pelos bolcheviques, por ordem de Lenine, a tiro e à baioneta, o czar Nicolau II, sua Mulher e filhos.

          -6 de Agosto: o Pároco de Fátima, depois de ter procedido ao inquérito ordenado por D. João de Lima Vidal (cf. -3 de Novembro de 1917), redige o respectivo relatório que, juntamente com outros documentos relacionados com Fátima, só envia a 28 de Abril de 1919.

          -Setembro: o Cónego Formigão inicia no jornal A Guarda uma série de artigos sob os títulos «Os Episódios de Fátima» e «O Atentado de Fátima», terminada em Maio de 1922.

          -Outubro/Novembro: sucedem-se os Armistícios na Turquia, Bulgária, Austria-Hungria,  na Alemanha, e em França.

          -14 de Dezembro, pelas 23:30 horas: Sidónio Pais é assassinado na estação do Rossio, em Lisboa, por um antigo sargento do Exercito «que confessou odiar o pendor germanófilo e a protecção que o Presidente dava à Igreja, no desrespeito a que votara a Lei da Separação.»

          -23 de Dezembro: o vidente Francisco Marto adoece com a pneumónica.

 

1919: -18 de Janeiro: início da Conferência de Paz, em Paris.

          -Março: é estabelecida em Moscovo a 3ª Internacional Comunista para servir, na expressão do próprio Lenine, «como patamar preliminar da República Internacional dos Sovietes com vista à vitória,por todo o mundo, do Comunismo.»

          -4 de Abril, pelas10:00 horas: morre o Francisco, em Aljustrel, com 11 anos de idade.

          -5 de Abril: o corpo do Francisco é sepultado no cemitério de Fátima, em campa rasa, sem indicação nenhuma a não ser uma cruz.

          -28 de Abril: é expedido para o Patriarcado em Lisboa o já referido relatório do pároco de Fátima. (cf. ano de 1918: -6 de Agosto). No Ofício que escreve, remetendo todo o processo paroquial, refere que se absteve sempre de convidar os fiéis a irem à Cova da Iria e que ele próprio só lá foi três vezes, todas já em 1918. E afirma: «Faço votos a Jesus e à Virgem Santíssima para que o Espírito Santo ilumine a Igreja a fim de que ela possa bem depressa confirmar a Fé e afervorar a devoção de tantos milhares de fiéis. Rogo a V.ª Ex.ª se digne dizer-me se é conveniente ou não que eu ou outro eclesiástico cumpra os votos dos fiéis pregando no local das aparições. Diz-me a pessoa encarregada de recolher as esmolas ofertadas [a Maria da Capelinha] que tem 357.000 reis e 40 litros de azeite, e que hoje mesmo foi dado princípio a um pequeno oratório no local. O povo deseja muito ali uma capela

          -Neste Mesmo Dia: é efectivamente iniciada a construção, por iniciativa da Maria da Capelinha e com o dinheiro entretanto deixado pelos peregrinos no local, a primitiva Capelinha das Aparições, imediatamente por detrás da pequena azinheira das aparições. É construída pelo pedreiro Joaquim Barbeiro, de Santa Catarina da Serra, e seu filho.

          -15 de Junho: é inaugurada, sem bênção, a Capelinha das Aparições na Cova da Iria. Mais tarde, foi efectivamente benzida pelo Padre Dr. Manuel Marques dos Santos.

          -13 de Dezembro: o Padre Dr. Marques dos Santos vai pela primeira vez à Cova da Iria.

 

1920: -20 de Fevereiro, pelas 22:30 horas: morre a Jacinta, no Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa, a duas semanas de completar os 10 anos de idade.

          -24 de Fevereiro: é realizado o funeral da Jacinta, tendo saído da Igreja dos Anjos, em Lisboa, para o cemitério de Vila Nova de Ourém onde ficou sepultada no jazigo do barão de Alvaiázere.

          -28 de Abril: o Cónego Formigão encontra no Patriarcado de Lisboa o processo paroquial aos acontecimentos de Fátima, enviado para Lisboa a 28 de Abril de 1919.

          -5 de Maio: é nomeado, por Bento XV, o 1º Bispo da recém restaurada Diocese de Leiria, D. José Alves Correia da Silva.

          -Princípio de Maio: chega a Torres Novas, a casa de quem a ofereceu -de seu nome Gilberto Santos- a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima que se venera na Capelinha das Aparições, sendo proibido pelo Administrador do Conselho de a levar para Fátima. Com cerca de um metro de altura (1,05 m) e pintada a óleo, foi esculpida em cedro do Brasil, pelo então jovem escultor da Casa Teixeira/Fânzeres, em Braga, José Ferreira Thedim; que a fez depois de interrogar Lúcia sobre o aspecto da Senhora (ler nota do ano de 1937: -5 de Dezembro). Em 1951, a imagem foi restaurada pelo próprio escultor; e retocada nos anos de 1971, 1979, e 1984.

          -Dias Antes do 13 de Maio: o pai de Gilberto Santos oculta, entre alfaias de lavoura, num carro de duas rodas atrelado a uma mula, a caixa contendo a imagem. Neste seu primeiríssimo andor da sua história, sai a Senhora de Torres Novas a caminho da igreja paroquial de Fátima.

          -13 de Maio: pelas 13;00 horas, na sacristia da igreja paroquial de Fátima, a imagem é solenemente benzida pelo pároco de Fátima, Padre Manuel Bento Moreira.

          -13 de Junho:: transportada de Fátima para a Cova da Iria pelo próprio que a ofereceu, no mesmo carro atrelado a uma mula, finalmente entrou, pela primeira vez, na Capelinha das Aparições, a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

          -25 de Julho: é sagrado o 1º Bispo de Leiria.

          -5 de Agosto: D. José Alves Correia da Silva toma posse da Diocese de Leiria, à qual passou a pertencer Fátima.

          -12 de Setembro: carta do Cónego Formigão ao Bispo de Leiria.

          -15 de Setembro: primeira audiência do Bispo de Leiria ao Cónego Formigão.

          -12 de Outubro: o Bispo de Leiria encarrega o Prior do Olival e Vigário de Ourém, de comprar, em seu nome, os terrenos da Cova da Iria.

          -16 de Dezembro: carta do Cónego Formigão ao Bispo de Leiria, sugerindo a organização duma comissão oficial de inquérito sobre Fátima.

 

1921: -Março: é fundado o Partido Comunista Português.

          -16 de Junho, pela madrugada: aparição de N. Sr.ª, na Cova da Iria, a Lúcia, então com 14 anos, na véspera da sua entrada no colégio das Doroteias em Vilar, no Porto. A visão nada lhe disse, embora Lúcia ficasse animada a desprender-se de tudo para se entregar inteiramente a Deus.

          -16 de Agosto: carta do Prior do Olival, Rev. Padre Faustino, ao Cónego Formigão, informando-o de que «estão comprados os terrenos de Fátima, talvez mais de cem jeiras [uma jeira corresponde à área de terreno que uma junta de bois pode lavrar num dia]…»

          -14 de Setembro: escritura da compra-venda, com o dinheiro que os peregrinos iam deixando no local e que ficava à guarda da Maria da Capelinha, dos terrenos da Cova da Iria, na presênça do Bispo de Leiria, e ida deste prelado, pela primeira vez, à Capelinha das Aparições onde reza um Terço. O Bispo dá autorização para «celebrar lá, Missa nos dias 13».

          -21/22 de Setembro: nova visita privada do Bispo de Leiria ao local das aparições, cujo terreno acabara de adquirir para a Diocese.

          -Na Primeira Semana de Outubro: é publicado o opúsculo «Os Episódios Maravilhosos de Fátima», da autoria do Cónego Formigão.

          -13 de Outubro: O Bispo de Leiria autoriza o Rev. Padre Afonso, coadjutor do Olival, a celebrar Missa campal para os peregrinos, sob o alpendre da Capelinha das Aparições. Foi o primeiro acto religioso, público e oficial, que se realizou na Cova da Iria.

          -Ainda Neste Ano: fundação do Partido Comunista da China.

 

1922: -22 de Janeiro: morre Bento XV.

          -6 de Fevereiro: é eleito Pio XI.

          -5/6 de Março, pela noite: a Capelinha das Aparições é dinamitada e grandemente destruída, por quatro bombas colocadas em buracos abertos nas paredes. Uma quinta bomba, colocada no tronco da própria azinheira das aparições, não chega a explodir. A imagem de N. Sr.ª é salva, pois a família Carreira guarda-a em sua casa após rumores de que a capela e a imagem seriam queimadas, colocando-a lá somente nos dias 13. Ao responder a um desapontado comentário de Maria Carreira, em 1918/9 ao tomar conta da obra, o pedreiro Joaquim Barbeiro afirmara, o que agora se revelava ter sido profético: «Se esta obra vem de Deus, como a gente pensa, tem que ter sofrimento nos alicerces» ou, noutra versão: «Se esta obra for de Deus, como nós pensamos, o sofrimento está em princípio.»

          -13 de Março: num altar improvisado perante as ruínas é celebrada uma Missa de reparação, com a participação de milhares de pessoas.

          -18 de Abril: carta do Bispo de Leiria ao Cónego Formigão, pedindo-lhe para fazer parte da comissão oficial de inquérito, convite a que responde favoravelmente logo no dia 20.

          -3 de Maio: é nomeada oficilamente, pelo Bispo de Leiria, a comissão para estudar o caso das aparições e organizar o processo canónico.

          -13 de Maio: é celebrada pelo Pároco de Fátima uma Missa junto às ruínas da Capelinha das Aparições, sendo decidido reconstrui-la em breve. De facto, a reconstrução seria iniciada ainda neste ano de 1922.

          -13 de Outubro: começou a publicação do mensário Voz da Fátima.

          -22 de Outubro: o rei de Itália empossa Mussolini que forma um governo de Fascistas e simpatizantes.

          -13 de Dezembro: foram iniciadas a reconstrução da Capelinha das Aparições, terminada a 13 de Janeiro de 1923; e a construção do primeiro Alpendre sobre ela, só terminado a 13 de Outubro de 1924. (O actual Alpendre foi construido em 1982, por ocasião da primeira visita de João Paulo II; e em 1988 foi forrado com madeira de pinho proveniente da Rússia, mais precisamente do Norte da Sibéria).

          -30 de Dezembro: formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (U.R.S.S.), no 1º Congresso dos Sovietes de Toda a Rússia.

 

1923: -13 de Janeiro: no colégio das Doroteias em Vilar, no Porto, Lúcia, já com 15 anos de idade, comparece pela primeira vez perante os membros da comissão nomeada pelo Bispo de Leiria.

          -26 de Agosto: nova aparição de N. Sr.ª a Lúcia, no Colégio do Vilar, no Porto.

 

1924: -21 de Janeiro: morre Lenine. Começa a ascenção ao poder de Joseph Staline, onde permanece vinte e cinco anos.

          -14 de Junho: fundação,pelo Bispo de Leiria, da Associação dos Servos de Nossa Senhora do Rosário da Fátima. Após a celebração da Missa na Capelinha, pelo Cónego Formigão, os primeiros servos fazem o seu juramento.

          -8 de Julho: novo interrogatório oficial a Lúcia, pela comissão canónica.

          -Ainda Neste Ano: na China, admissão dos Comunistas no Kuomintang, fundado em 1905.

 

1925: -24 de Agosto: Lúcia recebe o Crisma, em Braga, das mãos do  Bispo de Leiria.

          -24/25 de Outubro: aos 18 anos, Lúcia começa o postulantado nas Irmãs de Santa Doroteia, primeiro em Tuy e, logo no dia seguinte, em Pontevedra, Espanha.

          -10 de Dezembro: a Lúcia, no seu quarto em Pontevedra, aparece N. Sr.ª com o coração cercado de espinhos na mão, bem como o Menino Jesus; referência ao pedido da devoção reparadora dos Primeiros Sábados.

 

1926: -6 de Janeiro: tem o seu início, em Lisboa, a obra de Reparação fundada pelo Cónego Formigão: a Congregação das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores de Fátima, cuja sede foi transferida para Fátima em Maio de 1934; tendo a casa generalícia passado a designar-se, por indicação do Bispo de Leiria, Casa de Nossa Senhora das Dores.

          -15 de Fevereiro: fora do quintal do Convento em Pontevedra, aparição a Lúcia do Menino Jesus; referência à devoção reparadora ao Imaculado Coração de Maria.

          -6 de Maio: fundação da Associação das Servas de Nossa Senhora do Rosário da Fátima.

          -28 de Maio: em Braga reune-se o Congresso Mariano Nacional, presidido pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. António Mendes Belo e pelo Núncio Apostólico, Mons. Sebastião Nicotra. Às 06:00 horas da manhã deste dia, aproveitando-se da conjuntura daquele Congresso, tem início a Revolução militar, encabeçada pelo General Gomes da Costa, que poria termo à I República.

          -Junho: Lúcia regressa a Tuy.

          -16 de Julho: acaba o postulantado em Tuy.

          -2 de Outubro: Lúcia, com 19 anos, toma o hábito de noviça das Doroteias.

          -1 de Novembro: o Núncio Apostólico, Mons. Nicotra, visita particularmente a Cova da Iria, acompanhado pelo Bispo de Leiria. Ali ora perto da Capelinha, assistindo à recitação do Terço dirigido pelo Bispo.

 

1927: -21 de Janeiro: permissão da Sagrada Congregação dos Ritos, para celebrar a Missa votiva do Santíssimo Rosário.

          -17 de Maio: o Bispo de Leiria aprova uma novena, relacionada com N. Sr.ª.

          -26 de Junho: o Bispo de Leiria preside, pela 1ª vez, a uma cerimónia oficial em Fátima, ao benzer os cruzeiros da Via Sacra que começa no Reguengo do Fetal e termina no Santuário.

          -13 de Julho: é nomeado o primeiro Reitor do Santuário, Padre Manuel de Sousa.

          -15 de Novembro: concessão pela Sagrada Penitenciária Apostólica de indulgências a quem reze a jaculatória: «Nossa Senhora do Rosário de Fátima rogai por nós.»

          -17 de Dezembro: na capela do Convento, em Tuy, outra aparição a Lúcia, com Jesus falando do Sacrário, referente à devoção dos Primeiros Sábados.

 

1928: -Em Março: é publicado o livro do Cónego Formigão, «As Grandes Maravilhas de Fátima».

          -27 de Abril: surge o Prof. António de Oliveira Salazar, como ministro das Finanças do Governo formado na sequência das eleições em que o general Carmona é eleito Presidente da República.

          -13 de Maio: lançamento da 1ª pedra da futura Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, na Cova da Iria. Foi erigida no local onde, a 13 de Maio de 1917, os três pastorinhos estavam a brincar, fazendo uma pequena casa de pedras soltas, imediatamente antes da 1ª Aparição. O projecto, que prevê 15 altares dedicados aos 15 mistérios do Rosário, é do arquitecto holandês Gerard Van Krieken.

          -Ainda Em Maio: na China é fundado o Exército Vermelho.

          -3 de Outubro: Lúcia, aos 21 anos, faz os primeiros votos na Congregação de Santa Doroteia em Tuy. Toma o nome de Irmã Maria das Dores. Na véspera, tem mais uma entrevista com o Cónego Formigão.

 

1929: -9 de Janeiro: Pio XI oferece estampas com a imagem de N. Sr.ª de Fátima aos superiores e alunos do Colégio Português de Roma.

          -13 de Junho, festa de St.º António: na capela, em Tuy, durante a Hora-Santa das 23 às 24 horas, ao rezar as Orações do Anjo, com os braços em cruz, Lúcia tem uma esplendorosa visão, “alegórica”, da Santíssima Trindade sobre o Altar, bem como do Sacrifício Eucarístico e ainda de Nossa Senhora com o Seu Imaculado Coração, desta vez, na mão esquerda. É o pedido solene de N. Sr.ª, da parte de Deus, para o Santo Padre fazer a consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração.

          -6 de Dezembro: Pio XI benze a imagem de N. Sr.ª de Fátima, oferecida pelo próprio escultor J. F. Thedim, para a nova capela do Colégio Português de Roma, inaugurada no dia 8 seguinte.

          -Ainda Em Dezembro: na Rússia, inicia-se a ditadura autocrática de Joseph Staline que, sobretudo durante a década de 30, causou incontáveis vítimas.

 

1930: -13 e 14 de Abril: última reunião plenária da comissão nomeada pelo Bispo de Leiria a 3 de Maio de 1922, para inquirir oficialmente dos acontecimentos de Fátima, e durante a qual se lê o relatório redigido exclusivamente pelo Cónego Formigão, sendo aprovado por unanimidade.

          -1 de Outubro: a Sagrada Penitenciária Apostólica concede mais abundantes indulgências aos peregrinos que visitem o Santuário de Fátima.

          -13 de Outubro, 13 anos depois da 6ª aparição de N. Sr.ª do Rosário e do milagre do Sol: o Bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, pela carta pastoral A Divina Providência, afirma solenemente, perante mais de cem mil peregrinos em plena Cova da Iria, «invocando, humildemente, o Divino Espírito Santo»: «1º -Declarar como dignas de crédito as visões dos pastorinhos na Cova da Iria, freguesia de Fátima, desta Diocese, nos dias 13 de Maio a Outubro de 1917. 2º -Permitir, oficialmente, o culto de Nossa Senhora de Fátima

 

1931: -13 de Maio: todos os Bispos da, então, Metrópole portuguesa, sob a presidência do Cardeal Cerejeira, consagram solenemente, pela primeira vez, Portugal ao Imaculado Coração de Maria.

 

1932: -13 de Maio: é solenemente benzido pelo Núncio, Mons. Beda Cardinale, o monumento ao Sagrado Coração de Jesus que se encontra no centro da esplanada do Santuário.

          -5 de Julho: Salazar, torna-se Presidente do Conselho de Ministros (até 23/09/68).

 

1933: -22 de Janeiro: na Alemanha, Hitler é nomeado Chanceler pelo Presidente Hindenburg e forma um Governo que toma posse oito dias depois.

          -19 de Março: é plebiscitada a nova Constituição da República Portuguesa, que define o Estado como uma democracia orgânica e corporativa.

          -14 de Julho: na Alemanha, é aprovada uma Lei para o extermínio de deficientes, através dum «Programa de Eutanásia». Até Agosto de 1941, serão liquidadas 70.000 pessoas, grande parte delas crianças até aos 12 anos.

          -Ainda Em Julho: apesar da Concordata assinada com o Vaticano, cresce a resistência da Igreja católica ao nazismo.

 

1934: -18 de Fevereiro: é fundada a Pia União dos Cruzados de Fátima.

          -3 de Outubro: em Tuy, Espanha, o Bispo de Leiria preside aos votos perpétuos da Irmã Lúcia, então com 27 anos.

          -2 de Agosto: morte do Presidente alemão. Hitler assume o cargo de Fuhrere Chanceler do III Reich.

          -Ainda Neste Ano: na China, inicia-se a Longa Marcha de Mao Tse-tung.

 

1935: -12 de Setembro: por ordem do Bispo de Leiria, os restos mortais do Francisco e da Jacinta são trasladados para um jazigo novo, propositadamente feito para eles, no cemitério de Fátima.

          -Dezembro: Lúcia escreve, a pedido do Bispo de Leiria, a Primeira Memória, toda ela sobre a Jacinta.

 

1936: -Maio: voto do Episcopado português de promover uma grandiosa peregrinação nacional a Fátima, se Portugal for salvo da revolução que ameaça Espanha.

          -Ainda em Julho: em Espanha, rebenta a revolta militar liderada pelos Generais Sanjurjo, Goded, Franco, Mola e Queipo de Llano, contra o Governo republicano da Frente Popular (republicanos, socialistas, comunistas e sindicalistas) de Largo Caballero, «o Lenine espanhol». Os revoltosos, que saem vencedores em 39, são apoiados pela Alemanha, Itália e Portugal (?); os do Governo republicano, pela U.R.S.S. e pelas Brigadas Internacionais de voluntários.

 

1937: -7 de Março: Pio XI publica a sua Encíclica Mit Brennender Sorge em que condena o nazismo: «Somente espíritos superficiais podem cair no erro que consiste em falar dum Deus nacional, duma religião nacional (…).Todo aquele que, segundo uma pretensa concepção dos antigos Germânicos de antes de Cristo, coloca o sombrio e impessoal destino, no lugar do Deus pessoal, nega a sabedoria e a Providência de Deus. Todo aquele que toma a raça, ou o povo, ou o Estado ou a forma do Estado, ou os depositários do poder, ou qualquer outro valor fundamental da comunidade humana -todas as coisas que têm na ordem terrena um lugar necessário e honrável- todo aquele que toma estas noções, para as retirar desta escala de valores, mesmo religiosos, e os diviniza através dum culto idolátrico, esse perverte e falseia a ordem das coisas criada e ordenada por Deus.»

         -19 de Março: Pio XI publica a sua Encíclica Divini Redemptoris em que condena o comunismo ateu: «A doutrina que o comunismo esconde sob aparências por vezes tão sedutoras, tem hoje por fundamento os princípios do materialismo dialéctico e histórico já preconizados por Marx (…). O comunismo é, por natureza, antireligioso (…). Assim ainda, sob diversos nomes que não fazem sequer alusão ao comunismo, eles fundam associações, ou revistas, a fim de fazer penetrar as suas ideias nos meios cujo acesso lhes seria difícil de outro modo. Seguramente mais, tentam com perfídia infiltrar-se até em associações francamente católicas e religiosas.»

          -7 a 21 de Novembro: Lúcia, por ordem do Bispo de Leiria e de acordo com a Madre Provincial das Doroteias, escreve a Segunda Memória, constituindo propriamente o primeiro relato das aparições por ela escrito.

          -5 de Dezembro: em carta para o Bispo de Leiria, Lúcia descreve como pintaria uma imagem de N. Sr.ª conforme a visão que teve. Diz ela: «Parece-me que se eu soubesse pintar, ainda que não seria capaz de A pintar como Ela é, porque sei que isso é impossível, assim como impossível me é dizê-lo ou descrevê-lo, (…) poria somente uma túnica, o mais branca possível, simples, e o manto caído desde a cabeça até ao fundo da túnica; e, como não poderia pintar a luz e a beleza que A adornavam, suprimia todos os enfeites, à excepção de um fiinho doirado à volta do manto. Este sobressaía como se fosse um raio de sol, brilhando mais intensamente. A comparação fica muito aquém da realidade, mas é o melhor que sei explicar.»

 

1938: -25 de Janeiro: ocorrência da Aurora Boreal (também chamada luz do Norte ou aurora polaris: fenómeno meteórico luminoso que aparece de noite), e que Lúcia sempre considerou como o sinal luminoso, referido por N. Sr.ª na 3ª aparição a 13 de Julho de 1917, de que ainda no reinado de Pio XI começaria outra Guerra (a II) ainda pior do que a I. (Ler o resultado da II Guerra, na nota de 1945: -9 de Setembro).

          -13 de Março: anexação da Áustria pela Alemanha nazi. Lúcia considerou, mais tarde, este facto como o começo efectivo da II Guerra Mundial.

          -13 de Maio: os Bispos portuguêses renovam a consagração de Portugal ao Imaculado Coração de Maria, e agradecem o facto de Portugal estar a salvo dos perigos da Guerra de Espanha.

          -Outubro: ocupação do País dos Sudetas, na Checoslováquia, pelos alemães.

 

1939: -Princípio de Fevereiro: a vidente Lúcia envia uma carta ao Bispo de Leiria em que declara «que ’a guerra, predita por Nossa Senhora estava eminente’ [queria dizer iminente] e que ‘Portugal sofreria algo das consequências da guerra’; mas que N. Sr.ª o protegeria especialmente; isto devido à consagração feita pelo Episcopado ao Coração Imaculado de Maria;…» (Segundo foi posteriormente revelado através da Emissora Nacional pelo então Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Gonçalves Cerejeira, em 29 de Junho de 1956).

          -10 de Fevereiro: morre Pio XI, a cerca de seis meses do início oficial da II Guerra Mundial.

          -2 de Março: é eleito Pio XII.

          -Agosto: é concluído o Pacto Germano-Soviético de amizade e não-agressão mútua. Uma cláusula secreta prevê a partilha da Polónia e as esferas de influência na Europa do Leste.

          -1 de Setembro: invasão da Polónia pela Alemanha nazi.

          -13 de Setembro: o Bispo de Leiria aprova e torna pública a devoção reparadora dos Primeiros Sábados.

          -16/17 de Setembro: o Exército Vermelho atravessa as fronteiras da Polónia tomando posse do território Leste da Polónia iniciando, assim, a sovietização de territórios ocupados. Centenas de milhares de polacos são deportados para a Sibéria. (É curioso notar, agora, que pela Polónia começou, então, a expansão dos «erros da Rússia». E pela Polónia haveria de começar, em 1980, o processo de falência dos «erros» do Leste).

          -29 de Setembro: assinatura de novo Tratado entre os Governos Alemão e Soviético demarcando as áreas de influência na Polónia.

 

1940: -2 de Dezembro: é enviada uma carta de Lúcia para Pio XII, escrita em Tuy no dia 24 de Outubro anterior, em que transmite ao Papa o pedido de N. Sr.ª sobre a consagração da Rússia, pedido que lhe tinha sido revelado a 13 de Junho de 1929. Nesta carta escreve Lúcia, entre outras coisas: «…Se é que na união da minha alma com Deus não sou enganada, Nosso Senhor promete, em atenção à consagração que os Ex.mos e Rev.mos Prelados Portuguêses fizeram da Nação ao Imaculado Coração de Maria [cf. com 13 de Maio de 1931], uma protecção especial à nossa Pátria, durante esta guerra, e que esta protecção será prova das graças que concederia às outras nações, se, como ela, lhe tivessem sido consagradas Pede ainda a irmã Lúcia ao Papa «que a festa em honra do Imaculado Coração de Maria seja estendida a todo o mundo, como uma das principais da Santa Igreja.» De facto, Pio XII estabeleceu que essa festa se celebrasse em todo o mundo a 22 de Agosto; dia este que, com a reforma litúrgica após o Concílio Vaticano II, veio a ser instituído como o da memória da Virgem Santa Maria, Rainha, anteriormente celebrada a 31 de Maio. A comemoração do Imaculado Coração de Maria desceu, então, para memória facultativa, a celebrar no sábado a seguir àsolenidade doSagrado Coração de Jesus. (cf., finalmente, com nota do dia 1 de Janeiro de 1996).

 

1941: -11 de Março: aprovação pela Santa Sé da Pia União dos Servitas de Nossa Senhora do Rosário da Fátima, resultante da fusão das Associações dos Servos e das Servas.

          -22 de Junho: a Alemanha invade a União Soviética, surpreendendo Staline.

          -31 de Agosto: Lúcia termina a redacção, por ordem do Bispo de Leiria, da Terceira Memória em que revela, o que ela considera serem as duas primeiras partes do segredo de Fátima.

          -25 de Novembro a:

          -8 de Dezembro: Lúcia termina, sempre por ordem do Bispo de Leiria, a Quarta Memória, onde fala da vida do Francisco e refere mais pormenores das aparições.

          -Ainda Em Dezembro: dá-se a entrada dos Estados Unidos da América (E.U.A.) na II Guerra Mundial.

 

1942: -13 de Maio: Jubileu dos 25 anos das aparições e da sagração episcopal de Pio XII. Na sua homilia afirma profeticamente o Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Gonçalves Cerejeira: «A aparição de Nossa Senhora do Rosário trouxe uma mensagem para o mundo, cujo alcance se não pode medir ainda… Justificadamente podemos acreditar que, pela intercessão do Coração Imaculado da Cheia de Graça, Mãe de misericórdia, grandes coisas prepara Deus para o mundo

          -13 de Outubro: Numa rádio-mensagem o Papa faz, em plena Guerra e pela primeira vez na História, a consagração da Igreja e do Mundo ao Imaculado Coração de Maria, com uma especial menção da Rússia. Consagração. Para agradecer a Paz em Portugal, as mulheres do País oferecem uma coroa de ouro e pedras preciosas a N. Sr.ª de Fátima, depondo-a aos pés da Padroeira.

          -8 de Dezembro, festa da Imaculada: é solenemente renovada por Pio XII a consagração da Igreja e do mundo, na Basílica de São Pedro em Roma. Consagração.

 

1943: -22 de Dezembro a:

 

1944: -9 de Janeiro: em Tuy, Lúcia escreve a terceira parte do segredo de Fátima, revelado na 3ª aparição de 13 de Julho de 1917.

          -17 de Junho: é entregue ao Bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, osobrescrito, aberto, contendo a terceira parte do segredo. O Bispo, sabe-se, não a leu e lacrou o sobrescrito, colocando-o noutro que também lacrou.

 

1945: -22 de Abril: as forças Soviéticas entram nos arredores de Berlim.

          -25 de Abril: encontro das tropas Soviéticas e Americanas no Rio Elba.

          -7/8 de Maio: fim da II Guerra Mundial, na Europa.

          -12 de Maio: é usada, pela primeira vez, a expressão«cortina de ferro» pelo Primeiro Ministro britânico, para designar a separação entre o Ocidente e o Leste da Europa.

          -Junho: na Polónia, formação dum Governo de união nacional composto por uma maioria de comunistas.

          -26 de Junho: criação das Nações Unidas.

          -6 de Agosto: lançamento pelos E.U.A., da 1ª bomba atómica sobre o Japão, em Hiroshima.

          -9 de Agosto:   bomba atómica, sobre Nagasaki. Ao todo, estas duas bombas causaram, de imediato, cerca de 150.000 mortos e, 150.000 feridos gravíssimos.

          -9 de Setembro: capitulação do Japão e fim da II Guerra. O resultado, só em vítimas humanas, está calculado: 55 milhões de mortos, incluídos os 4-5 milhões de Judeus exterminados; 35 milhões de feridos; e 3 milhões de desaparecidos. «Nunca antes a civilização tivera baixas tão altas.»

          -Logo Neste Ano: recomeça a expansão da influência Soviética que, até 1948, se estende à Albânia, Jugoslávia, Bulgária, Roménia, Hungria, Checoslováquia, a toda a Polónia e à Alemanha de Leste (R.D.A.).

          -Ainda Neste Ano: são feitas as primeiras diligências no sentido da constituição do processo de beatificação dos videntes Francisco e Jacinta Marto.

 

1946: -3 e 4 de Fevereiro: o monfortino holandês H. Jongen entrevista a Irmã Lúcia em Tuy sobre vários aspectos da problemática de Fátima.

          -5 de Março: nos Estados Unidos, na Universidade de Fulton, no Missouri, o Primeiro Ministro britânico Winston Churchill pronuncia um discurso em que afirma: «De Stettin, no Báltico, até Trieste, no Adriático,uma cortina de ferro desceu através do Continente. Por detrás desta linha encontram-se as capitais de todos os países da Europa oriental: Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapeste, e Sófia. Todas estas cidades célebres, todas estas nações encontram-se sob a esfera soviética. (…) Não creio que a Rússia deseje a Guerra. O que ela deseja, são os frutos da Guerra e uma expansão ilimitada do seu poder e da sua doutrina

          -13 de Maio: é solenemente coroada, com a coroa oferecida em 1942 pelas mulheres portuguesas, pelo Legado do Papa expressamente nomeado para o efeito (o Cardeal Aloísio-Masella, o mesmo que em 1910 tinha ficado como encarregado da Nunciatura), a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Maria é proclamada Rainha do Mundo. E é repetida a consagração de Portugal ao Seu Imaculado Coração.

          -17 de Maio: Lúcia regressa a Portugal, para Vila Nova de Gaia, para o Colégio do Sardão.

          -20/21/22 de Maio: a Irmã Lúcia, depois de ter saído de Fátima há quase 25 anos, volta lá a pedido dos seus superiores, para dar no próprio local algumas indicações de pormenor sobre as aparições. Nesta ocasião, tem o seu último encontro com o Cónego Formigão, na casa das Doroteias em Fátima.

          -22 de Novembro a:

          -24 de Dezembro: primeira visita da imagem da Capelinha das Aparições a Lisboa, iniciando-se as viagens da Virgem Peregrina.

 

1947: -Janeiro: na Polónia, os comunistas e seus aliados obtêm 80 % dos votos em eleições falsificadas.

          -13 de Maio: inicia-se a viagem, pela Europa e outros Continentes, da imagem da Virgem Peregrina.

          -5 de Junho: é anunciado o plano Marshall, de ajuda americana à reconstrução da Europa.

          -30 de Setembro: numa importante reunião na Polónia, o ideólogo soviético Andrei Jdanov explica nos seguintes termos a divisão do mundo: «Dois campos se formaram no mundo: de um lado, o campo imperialista e antidemocrático, que tem por finalidade essencial o estabelecimento do domínio mundial do imperialismo americano; e do outro lado, os campos anti imperialistas e democrático, cuja finalidade essencial consiste em minar o imperialismo, reforçar a democracia, e liquidar os restos do fascismo (…). Nestas condições, os partidos comunistas têm por dever essencial de tomar em mãos a independência nacional e a soberania dos seus próprios países Por esta ocasião, é criado o Kominform (abreviação russa de: Comissão de Informação dos partidos comunistas), para reforçar a mobilização ideológica dos partidos comunistas europeus, sob a direcção de Moscovo.

 

1948: -25 de Março, Quinta-Feira Santa: Lúcia entra para o Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, tomando o nome de Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado. Aí continua, com os seus quase 90 anos que completará a 28 de Março de 1997.

          -Abril: inicia-se o bloqueio de Berlim pelos soviéticos, que durará até Maio do ano seguinte.

 

1949: -25 de Janeiro: A U.R.S.S. em conjunto com outros Países da sua órbita, funda o Conselho para a Assistência Económica Mútua (COMECOM).

          -21 de Março: morre a Sr.ª Maria Carreira, a Maria da Capelinha.

          -4 de Abril: é fundada, em Washington, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN, ou NATO), que reúne os Estados Unidos, o Canadá, e dez países da Europa ocidental numa aliança militar defensiva.

          -23 de Maio: criação da República Federal da Alemanha.

          -15 de Agosto: é decretada pelo Bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, a erecção canónica da Congregação das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores de Fátima; e logo no dia 22, então festa do Imaculado Coração de Maria, realizam-se as primeiras Profissões na Basílica do Santuário, presididas pelo Bispo de Leiria e na presença do Fundador, Cónego Nunes Formigão.

          -Setembro/Outubro: vitória dos comunistas na China, e proclamação da República Popular da China por Mao Tse-tong.

          -7 de Outubro: nasce a República Democrática Alemã.

 

1950: -25 de Junho: inicia-se a Guerra da Coreia.

          -30 e 31 de Outubro: Pio XII vê, pelas 16:00 horas nos Jardins do Vaticano, o milagre do Sol, ocorrido em Fátima a 13 de Outubro de 1917.

          -1 de Novembro: solene proclamação dogmática, pelo Papa Pio XII, da Assunção ao Céu, em corpo e alma, de Nossa Senhora. Neste mesmo dia tem a 3ª visão do milagre do Sol.

          -8 de Novembro: 4ª visão do milagre do Sol pelo Papa.

 

1951: -1 de Maio: os restos mortais da Jacinta são trasladados, na presença de seus pais, para a Basílica de N. Sr.ª do Rosário de Fátima, na Cova da Iria.

          -13 de Outubro: encerramento em Fátima, pelo Legado do Papa, do Ano Santo de 1950 alargado a todo o mundo. Importante homilia do Legado papal, Cardeal Tedeschini, em que dá a conhecer publicamente ter o Papa visto o milagre do Sol no Vaticano por quatro vezes, nos dias que rodearam a proclamação do dogma da Assunção. Em rádio-mensagem o Papa recorda a coroação de Maria, em 1946, como Rainha do Mundo.

 

1952: -13 de Março: são igualmente trasladados para a Basílica na Cova da Iria, os restos mortais do Francisco.

          -30 de Abril: a diocese de Leiria abre os processos canónicos com vista à beatificação da Jacinta e do Francisco.

          -7 de Julho: Carta Apostólica Sacro Vergente Anno, de Pio XII, em que consagra explicitamente ao Imaculado Coração de Maria, «todos os Povos da Rússia Consagração.

 

1953: -Março: morre Joseph Staline.

          -7 de Outubro, dia de Nossa Senhora do Rosário: é sagrada a Basílica de N. Sr.ª do Rosário de Fátima, na Cova da Iria; à qual Pio XII, pelo breve Luce Superna de 12 de Novembro de 1954, concederia justamente o título de Basílica.

 

1954: -11 de Outubro: pela Encíclica Ad Caeli Reginam, Fátima é colocada dentro dos mais solenes documentos da Igreja e, é instituída a festa de N. Sr.ª Rainha no dia 31 de Maio de cada ano. (Depois do Concílio Vaticano II, transferida para o dia 22 de Agosto).

          -Ainda Neste Ano: decorre o Ano Mariano para comemorar o Centenário da proclamação do dogma da Imaculada Conceição de Maria.

 

1955: -15 de Maio: na Áustria, é concluído um Tratado de Estado pelo qual o País é desocupado pelas forças aliadas, e libertado da dominante influência Soviética.

          -Neste Ano: em resposta à adesão da Alemanha Federal à NATO, é estabelecido o Pacto de Varsóvia pela U.R.S.S. e seus Satélites, com um secretariado e um comando supremo, supranacional, em Moscovo.

 

1956: -13 de Maio: o Cardeal Roncali, Patriarca de Veneza, e futuro Papa João XXIII (de 59 a 63), preside à Peregrinação Aniversária. Na sua homilia refere-se, por duas vezes, ao segredo de Fátima, do qual diz que «justo é respeitar-lhe o recôndito mistério».

          -13 de Outubro: o Cardeal Tisserant, decano do Sacro Colégio dos Cardeais, preside à Peregrinação e na sua homilia detém-se na relação entre o segredo de Fátima e a Rússia.

          -Ainda Neste Ano: manifestações contra os respectivos regimes, e intervenções Soviéticas, na Polónia e Hungria.

 

1957: -Neste Ano: o sobrescrito com a terceira parte do segredo de Fátima, revelado a Lúcia na 3ª aparição a 13 de Julho de 1917, e por ela escrito e entregue ao Bispo de Leiria em 1944, é enviado para Roma, por requisição da Santa Sé.

 

1958: -9 de Outubro: morre Pio XII.

          -28 de Outubro: é eleito João XXIII.

          -Ainda Neste Ano: posse do 2º Bispo de Leiria, D. João Pereira Venâncio.

 

1959: -25 de Janeiro, festa da conversão de São Paulo:João XXIII refere-se a um novo Concílio. Foi o «primeiro e imprevisto florescer no Nosso Coração e nos nossos lábios da simples palavra de ‘Concílio Ecuménico’ perante o Sacro Colégio dos Cardeais (…). Foi uma surpresa

          -13 de Junho: é colocada no nicho que se encontra por cima da porta principal da Basílica, a grande estátua de mármore branco de Nossa Senhora com o Seu Imaculado Coração, feita segundo indicações da Irmã Lúcia, pelo escultor americano Padre Thomas Mc Glynn, dominicano.

          -17 de Agosto: de acordo com o posterior testemunho do que fora secretário do Papa João XXIII, foi pela primeira vez lido neste dia, pelo Papa, a terceira parte do segredo de Fátima (revelado na 3ª aparição de 13 de Julho de 1917; escrito e entregue por Lúcia, ao Bispo de Leiria em 1944, e enviado por este para Roma em 1957, ainda no pontificado de Pio XII). João XXIII leu-o e deu-o, então, a conhecer «a todos os Chefes do Santo Ofício e da Secretaria de Estado e, ainda a algumas outras pessoas». Sabe-se que também o leram Paulo VI e João Paulo II, assim como o Cardeal Joseph Ratzinger, actual Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, mas nenhum julgou prudente, até agora, dá-lo a conhecer. (Ler a este propósito as declarações do Cardeal Ratzinger no ano de 1984: -Agosto; e as breves referências publicadas na imprensa portuguesa, por ocasião da peregrinação de Sua Eminência ao Santuário, em 12 e 13 de Outubro de 1996, e do encontro com a Irmã Lúcia no Carmelo de Coimbra no dia 14).

 

1960: -1 de Janeiro: é inaugurada a adoração perpétua do Santíssimo Sacramento da Eucaristia, na Capela do Lausperene no Santuário de Fátima.

 

1961: -Fevereiro/Março: insurreições em Luanda, Angola, com ataques à Cadeia, ao Quartel da Polícia e à Emissora Nacional, dão inicio à Guerra que viria a constituir motivo, entre outros, para a Revolução do 25 de Abril de 1974 e, a culminar na Independência das então designadas Províncias Ultramarinas portuguesas.

          -13 de Agosto: em Berlim é erigido O Muro, pelas autoridades da R.D.A..

 

1962: -11 de Outubro, festa da Mãe de Deus: é solenemente aberto, por João XXIII, o Concílio Vaticano II (o do Vaticano I tinha ocorrido em 1869-70), na Basílica de São Pedro em Roma, o qual se desenrolará em Quatro Sessões (: até 8 de Dezembro, festa da Imaculada Conceição).

          -Ainda Em Outubro: crise dos mísseis entre Cuba e os E.U.A.

 

1963: -13 de Maio: inauguração em Fátima, pelo Cardeal Larrona, Prefeito da Sagrada Congregação dos Ritos, da Missa própria da solenidade de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, Padroeira principal da Diocese de Leiria. Na homilia afirmou o Cardeal: «Jamais houve manifestação sobrenatural de Nossa Senhora, de conteúdo espiritual tão rico como a de Fátima, nem Aparição alguma reconhecida nos transmitiu mensagem tão clara, tão materna, tão profunda como esta.»

          -3 de Junho: morre João XXIII.

          -21 de Junho: é eleito Paulo VI.

          -30 de Junho: na homilia da coroação, Paulo VI, saúda Portugal, «Terra de Santa Maria, onde a Mãe de Deus erigiu o altar de Fátima

          -29 de Setembro a:

          -4 de Dezembro:   Sessão do Concílio.

1964: -14 de Setembro a:

          -21 de Novembro:   Sessão do Concílio. Na alocução de encerramento, importantíssima referência explícita a Fátima, depois de proclamar, com toda a solenidade do momento, Maria Santíssima como «Mãe da Igreja»: «Julgamos oportuno recordar hoje, de modo particular, esse acto de consagração [do mundo, ao Imaculado Coração de Maria, feito por Pio XII em 1942 -haviam passado exactamente 25 anos]. Para este fim, resolvemos enviar proximamente (…) a Rosa de Ouro ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, tão caro não só ao povo da nobre nação portuguesa  -sempre, porém hoje particularmente, a nós caro- como também conhecido e venerado pelos fiéis de todo o mundo católico. Deste modo, também nós pretendemos confiar aos cuidados da celeste Mãe a inteira família humana …» Consagração.

 

1965: -28 de Março: O Papa Paulo VI benze, na Capela de Santa Matilde em Roma, perante alguns Cardeais e representantes de Portugal, a Rosa de Ouro a enviar ao Santuário de Fátima.

          -No mesmo dia: carta de Paulo VI ao Bispo de Leiria, D. João Pereira Venâncio, em que lhe participa que «por decisão pessoal, com conhecimento certo e por nossa deliberação amadurecida e pela plenitude do poder apostólico (…) atribuímos e concedemos ao Santuário de Fátima a Rosa feita de ouro que lá deve ser religiosamente guardada.»

          -13 de Maio: entrega solene da Rosa de Ouro em Fátima, pelo Legado do Papa, Cardeal Fernando Cento. Em mensagem dirigida aos peregrinos, Paulo VI associa-se às preces e orações «à nossa Mãe do Céu, pedindo-lhe que abençoe o Mundo e lhe obtenha de Deus a justiça e a paz.»

          -14 de Setembro a:

          -8 de Dezembro,festa da Imaculada Conceição: , e última,Sessão do Concílio.

 

1967: -Janeiro: primeira visita dum líder de um Estado Socialista, o Presidente Podgorny da U.R.S.S., ao Papa.

          -15 de Abril: carta de Paulo VI nomeando seu Legado a latere, o Cardeal-Partiarca resignatário de Goa, D. José da Costa Nunes, para a Peregrinação do Cinquentenário a 13 de Maio.

          -30 de Abril: tomada a resolução do próprio Papa Paulo VI vir a Fátima.

          -3 de Maio: durante a habitual Audiência Geral das quartas-feiras surge, inesperadamente, pela boca do próprio, o anúncio da vinda do Papa a Fátima.

          -10 de Maio: na Audiência Geral, Paulo VI comunica a publicação no próximo dia 13 de Maio de «uma Exortação [a Signum Magnum], dirigida a toda a Igreja, sobre o culto e imitação de Maria Santíssima.»

          -13 de Maio, Cinquentenário das Aparições: antes de partir de Roma, publicação da Exortação Apostólica Signum Magnum, relacionada com a vinda do Papa a Fátima. Realiza-se a Peregrinação dum Papa, enquanto tal, à Cova da Iria. A Irmã Lúcia desloca-se do Carmelo em Coimbra e está presente. Na histórica homilia, o Papa refere, mais uma vez, as duas grandes intenções que o trazem a Fátima: «a primeira intenção é a Igreja una, santa, católica e apostólica (…) pela sua paz interior»; a segunda intenção, «intenção que enche a nossa alma; o mundo, a paz do mundo.» Ao desenvolver esta segunda intenção, lança o vibrante apelo: «Homens (…) procurai ser dignos do dom divino da paz. Homens, sede homens. Homens, sede bons, sede cordatos, abri-vos à consideração do bem total do mundo. Homens, sede magnânimos… …etc.»

 

1968: -20/21 de Agosto: invasão da Checoslováquia por tropas de cinco Estados membros do Pacto de Varsóvia.

          -23 de Setembro: toma posse como Presidente do Conselho de Ministros, sucedendo a Salazar, que ficara cerebralmente incapacitado após uma queda, o Prof. Marcello Caetano.

 

1970: -1 de Julho: o Papa Paulo VI recebe, no Vaticano, os representantes dos «movimentos de libertação» que tinham iniciado as Guerras de Independência nas colónias portuguesas em África, desencadeando-se uma grave crise diplomática entre Portugal e a Santa Sé.

          -27 de Julho: morre Salazar, que governara Portugal durante 36 anos, 1 mês e 1 semana.

 

1971: -29 de Março: primeira Audiência oficial dum Papa a um Chefe de Estado dum país Socialista, ao receber o marechal Tito da Jugoslávia.

          -10 de Maio: D. António Ribeiro é nomeado por Paulo VI, novo Bispo titular da Igreja Patriarcal de Lisboa (Cardeal, a partir de 5/3/73).

          -13 de Maio: comemoração dos 25 anos da solene coroação da imagem da Capelinha das Aparições. Rádio-mensagem de Paulo VI.

 

1972: -Maio: RichardNixon é o primeiro Presidente dos E.U.A. a visitar a U.R.S.S..

          -10 de Setembro: posse do 3º Bispo de Leiria, D. Alberto Cosme do Amaral.

 

1973: -13 de Fevereiro: posse do actual Reitor do Santuário, Padre Dr. Luciano Gomes Paulo Guerra.

 

1974: -2 de Fevereiro: Paulo VI publica a Exortação Apostólica Marialis Cultus, sobre a «recta ordenação e desenvolvimento do culto à bem-aventurada Virgem Maria.»

          -25 de Abril: em Portugal dá-se o Movimento das Forças Armadas, que põe fim ao regime vigente desde 1926.

          -13 de Maio: o Cardeal-Patriarca de Lisboa renova a Consagração de Portugal ao Imaculado Coração de Maria.

 

1975: -11 de Março a:

          -25 de Novembro: em Portugal vive-se um período da revolução com forte hegemonia do Partido Comunista Português, dos mais pró soviéticos de entre todos os do Ocidente.

          -Ainda Em Novembro: em Espanha, morre Franco e Juan Carlos I é aclamado rei. Inicia-se a liberalização e democratização do regime.

 

1976: -2 de Abril: é aprovada, decretada e promulgada a nova Constituição da República Portuguesa, que entrou em vigor a 25 de Abril seguinte, começando o País a entrar numa fase de normalidade constitucional com a consagração dum regime democrático parlamentar, ainda que impondo a abertura de «um caminho para uma sociedade socialista» e definindo a República como estando «empenhada na sua transformação numa sociedade sem classes.» O regime democrático parlamentar, embora tutelado por um Conselho da Revolução até Setembro de 1982, consolidou-se e aliviouse da carga ideológica socialista nas revisões constitucionais que se seguiram e com a entrada de Portugal na C.E.E., em Janeiro de 1986.

          -6 de Maio: cinquentenário da fundação das Servas de Nossa Senhora do Rosário da Fátima.

          -13 de Maio: preside à Peregrinação Aniversária o Cardeal Baggio, Prefeito da Congregação para os Bispos. Na sua homilia afirma, dir-se-ia, profeticamente: «Quem reconhece e procura na História a presença misteriosa de Deus, a sua constante e amorosa Providência, não se maravilha de que os acontecimentos de que foram protagonistas os três pastorinhos na então desconhecida aldeia que hoje hospeda esta imensa multidão, possam incidir na sorte espiritual e mesmo temporal de uma ou de muitas comunidades de povos e que as suas consequências morais, sociais e religiosas possam investir toda a Igreja, como uma benéfica torrente de graças.»

          -Ainda Neste Ano: na China, morre Mao Tse-tung.

 

1977: -19 de Fevereiro: numa Audiência ao então Primeiro-Ministro de Portugal, Dr. Mário Soares, afirma Paulo VI: «Outrossim nos dá confiança a predilecção que parece ter querido demonstrar para com Portugal a Mãe de Deus, venerada pelos portugueses e por todo o mundo católico no Santuário de Fátima, …».

          -13 de Maio: no 60º aniversário das Aparições, Paulo VI envia uma rádio-mensagem aos peregrinos.

          -10 de Julho: o Cardeal Albino Luciani, Patriarca de Veneza, o futuro Papa João Paulo I, preside a uma peregrinação das Dioceses da sua região, à Cova da Iria. Na sua homilia apela para o cumprimento da Mensagem de Fátima.

          -11 de Julho: o mesmo Cardeal, vai a Coimbra e durante duas horas fala com a Irmã Lúcia, no Carmelo, sabendo-se que não falaram das aparições.

 

1978: -6 de Agosto: morre Paulo VI.

          -26 de Agosto: é eleito João Paulo I.

          -28 de Setembro: morre João Paulo I.

          -16 de Outubro: é eleito o Arcebispo de Cracóvia, Cardeal Karol Wojtyla, de 58 anos, natural de Wadowice na Polónia. É o primeiro Papa não-italiano desde 1522. Toma o nome de João Paulo II e mantém como divisa a expressão emblemática «Totus Tuus» (Todo Teu, referindo-se à Virgem Maria). No seu brasão papal traz, desde então, inscrito o «M» de Maria.

 

1979: -28 de Abril: a pedido do Bispo de Leiria, o Papa João Paulo II envia a sua primeira mensagem aos peregrinos de Fátima, do próximo 13 de Maio.

          -27 de Outubro: recebe João Paulo II, pela primeira vez, o Bispo de Leiria, D. Alberto Cosme do Amaral. Falam de Fátima e da beatificação dos videntes Francisco e Jacinta.

          -Ainda Neste Ano: o Papa João Paulo II visita pela primeira vez a Polónia, seu País natal.

          -Novembro/Dezembro: Andrei Gromyco da U.R.S.S., faz sérios avisos contra o estacionamento, pelos E.U.A., de mísseis de alcance intermédio na República Federal da Alemanha.

 

1980: -17 de Abril: o Papa João Paulo II escreve uma carta à Pia União dos Servitas de N. Sr.ª de Fátima, propondo-lhes Maria como modelo.

          -Julho a Setembro: na Polónia, inicia-se a vaga de greves organizadas pelo sindicato Solidarnosc (Solidariedade).

          -Outubro: é registado o Solidariedade, como associação sindical livre.

 

1981: -Março: o recém eleito Presidente dos E.U.A., Ronald Reagan, sobrevive a uma tentativa de assassínio.

          -6 de Maio: João Paulo II «na Audiência das Quartas-feiras dirige-se a um grupo de portugueses e, lembrando-lhes que estamos no ‘mês de Maio’, pede para eles ‘que Nossa Senhora de Fátima os proteja’. Súplica ouvida como se tivesse dito : nos proteja.»

          -13 de Maio: o Secretário de Estado do Vaticano, então o Cardeal Casaroli, envia, em nome do Papa, um telegrama em que o Papa diz estar «presente espiritualmente» e desejar «unir-se a Nossa Senhora, Mãe da nossa confiança e Mãe da Igreja.»

          -Às 17:15 horas, na Praça de São Pedro, em Roma: dá-se o atentado à vida do Papa João Paulo II. São disparados contra si, a curta distância, dois tiros que o atingem gravemente no abdómen. «Ainda em Fátima, o Bispo de Leiria dirige um veemente apelo aos peregrinos e a todos os portugueses para implorarem da Virgem Santíssima a salvação do Papa.» Logo que retomou a consciência o seu primeiro pensamento foi para Nossa Senhora do Rosário de Fátima. De facto, um ano depois, a 12 de Maio, em Fátima afirma o próprio João Paulo II: «…ao tomar consciência, o meu pensamento voltou-se imediatamente para este Santuário, para depor no coração da Mãe celeste o meu agradecimento, por me ter salvo do perigo. Vi em tudo o que foi sucedendo -não me canso de o repetir- uma especial protecção materna de Nossa Senhora. E por coincidência -e não há meras coincidências nos desígnios da Providência divina- vi também um apelo e, quiçá, uma chamada de atenção para a mensagem que daqui partiu…». E no dia seguinte, a 13 de Maio de 1982: «…o atentado à vida do Papa, que misteriosamente coincidia com o aniversário da primeira aparição em Fátima, a qual se verificou a treze de Maio de 1917. Estas datas encontraram-se entre si de tal maneira, que me pareceu reconhecer nisso um chamamento especial para vir aqui. E eis que aqui estou. Vim para agradecer à divina Providência, neste lugar, que a Mãe de Deus parece ter escolhido de modo tão particular -‘Foi graças ao Senhor que não fomos aniquilados’ (Lam 3, 22)- repito uma vez mais com o Profeta

          -7 de Junho: apesar da fraqueza física em que se encontra, João Paulo II envia uma mensagem à comemoração dos aniversários dos Concílios de Constantinopla I e de Éfeso, que se realiza em Roma com bispos do Ocidente e do Oriente. Nessa mensagem consagra à «Mãe dos homens e dos povos a inteira família humana, aqueles que mais esperam por este abraço e, ao mesmo tempo, aqueles cuja entrega confiante Vós [N. Sr.ª] também esperais de modo particular.» Consagração.

          -14 de Setembro: Publicação da Encíclica Laborem Exercens (O Trabalho Humano), para comemorar os noventa anos da Rerum Novarum de Leão XIII (15/5/1891), em que nos números 11 a 15, João Paulo II aborda a questão d’«O Conflito entre Trabalho e Capital na fase actual da História», e a que não é alheia a própria experiência passada do Papa, enquanto trabalhador, na sua Polónia natal. (Vale a pena reler, retrospectivamente, este documento à luz de tudo o que sabemos hoje se passou no Leste).

          -Outubro: na Polónia, o general Jaruzelski, Primeiro Ministro desde Fevereiro, torna-se o líderdo Partido dos Trabalhadores Polacos (comunista).

          -8 de Dezembro, festa da Imaculada Conceição: a mesma fórmula de consagração usada a 7 de Junho, é repetida pelo Papa na Basílica de São Pedro. Consagração.

          -13 de Dezembro: na Polónia é imposto o estado de guerra.

 

1982: -7 de Março: em Roma,após a recitação do Angelus, João Paulo II anuncia a sua visita a Fátima «a fim de agradecer à Virgem Santíssima que me protegeu de maneira maternal na circunstância do atentado,…»

          -9 de Maio: numa alocução dominical, referindo-se à sua próxima ida a Fátima, afirma o Papa: «(…) desejo sobretudo responder à necessidade do coração, que, no primeiro aniversário do atentado à minha pessoa, me impele a ir junto dos pés da Mãe de Deus em Fátima, a fim de Lhe agradecer a sua intervenção, salvando a minha vida e restituindo-me a saúde.»

          -12 de Maio: na Audiência Geral, antes de deixar Roma a caminho de Portugal, afirma o Papa referindo-se à mensagem de Fátima: «Aquela mensagem revela-se hoje mais actual e mais urgente que nunca. Como não nos sentirmos, de facto, perplexos, diante da invasão do secularismo e do permissivismo, …».

          -Depois de aterrar no aeroporto de Lisboa afirma João Paulo II: «Em direcção a Fátima ou no retorno de Fátima, levo no coração o cântico de acção de graças de Nossa Senhora, por Deus me ter salvo a vida, aquando do atentado sofrido, a treze de Maio do ano passado;…»

          -13 de Maio: Peregrinação Aniversária presidida pelo Papa. É a peregrinação dum Papa, enquanto tal, à Cova da Iria. Na homilia, já atrás citada, afirma também: «E a mensagem de Fátima, no seu núcleo fundamental, é o chamamento à conversão e à penitência, como no Evangelho. Este chamamento foi feito nos inícios do séc. XX e, portanto, foi dirigido, de um modo particular a este mesmo século. A Senhora da mensagem parecia ler, com uma perspicácia especial, os ‘sinais dos tempos’, os sinais do nosso tempo E afirma ainda: «Ao completarem-se sessenta e cinco anos depois daquele dia treze de Maio de 1917 é difícil não descobrir como este amor salvífico da Mãe abraça na sua amplitude, de um modo particular, o nosso século (…) «Entregar-se e confiar-se a Maria Santíssima significa recorrer ao seu auxílio e oferecermo-nos a nós mesmos e oferecer a humanidade Àquele que é Santo, infinitamente Santo; valer-se do seu auxílio -recorrendo ao seu Coração de Mãe aberto, junto da Cruz, ao amor para com todos os homens e para com o mundo inteiro- para oferecer o mundo, e o homem, e a humanidade, e todas as nações Àquele que é infinitamente Santo.» Neste dia em Fátima realiza solenemente, tendo deposto o báculo e a mitra e ajoelhando-se no chão, novo Acto de Consagração do mundo ao Coração Imaculado de Maria, a Consagração: «…acolhei o nosso clamor, que movidos pelo Espírito Santo, elevamos directamente ao Vosso Coração, e abraçai com o amor de Mãe e da Serva este nosso mundo, que Vos confiamos e consagramos, cheios de inquietação pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos. De modo especial Vos entregamos e consagramos aqueles homens e aquelas nações, que desta entrega e desta consagração particularmente têm necessidade. ‘À vossa protecção nos acolhemos Santa mãe de Deus’! Não desprezeis as nossas súplicas, pois nos encontramos na provação! Não desprezeis!» (Aconselho vivamente a leitura integral da homilia do dia 13 de Maio e deste Acto de Consagração do Mundo, publicados nos Discursos do Papa João Paulo II em Portugal, Ed. da C.E.P., Lisboa, Maio de 1982).

          -14 de Maio: «no Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, sob o olhar da ‘Rainha’ de Portugal, coroada por D. João IV,…» o Papa, cujas palavras acabo de citar, dirige-se aos «trabalhadores destas terras portuguesas».

          -10 de Novembro: morre Leonid Brezhnev veterano líder da U.R.S.S.. Sucedem-lhe, rapidamente, Andropov que morre em 9/2/84 e, Chernenko que morre em 10/3/85.

 

1983: -2 de Março: durante uma escala técnica do avião que o levaria à América Central, o Papa João Paulo II, de uma das varandas do Aeroporto da Portela, afirma: «Nesta breve paragem na ‘Terra de Santa Maria’, quero renovar o meu apelo a que seja ouvida a ‘mensagem’ que nos vem de Fátima, a qual coincide com a chamada do iminente Ano Jubilar da Redenção.»

          -25 de Março: inauguração do Ano Santo da Redenção. O Papa passa a associar as intenções deste Jubileu com as de Fátima.

          -13 de Maio: os bispos de Portugal renovam a Consagração de Portugal ao Imaculado Coração de Maria.

          -Julho: na Polónia é cancelado o estado de guerra.

          -8 de Dezembro, festa da Imaculada Conceição: carta do Papa a todos os bispos do mundo convidando-os a repetir no próximo dia 25 de Março, ou na véspera, em união com ele, a fórmula da Consagração, sendo o texto enviado a todos.

 

1984: -16 de Março: ao terminar o retiro espiritual pregado pelo Cardeal-Arcebispo de Luanda, D. Alexandre do Nascimento, João Paulo II anuncia no Vaticano que pedira ao Bispo de Leiria para a própria imagem da Capelinha das Aparições ser levada a Roma, a fim de, perante ela, se realizar a renovação do Acto de Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria.

          -24 de Março: parte a imagem, de Fátima, e chega ao Vaticano.

          -25 de Março, festa da Anunciação: pela manhã é a imagem levada para a Praça de São Pedro. Ali, pelo meio-dia, com toda a solenidade, após o pontifical, o Santo Padre dirige-se para o trono de flores brancas onde se encontra a imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima e repete a Consagração. Ao texto enviado aos bispos, que nas suas Dioceses o repetiram na mesma ocasião, o Papa acrescenta: «Iluminai especialmenteaqueles povos de quem Vós mesma esperais a nossa consagração e a nossa entrega Consagração. Estava, finalmente, feita a consagração nos termos exactos em que N. Sr.ª tinha pedido a 13 de Junho de 1929, segundo a Irmã Lúcia declarou em 1989 e depois em 1992. (Ler as declarações de Lúcia do ano de 1992: -11 de Outubro). De tarde, às 16:15 h., o Papa vai à Basílica de São Pedro para se despedir e dirigindo-se à Virgem «Mãe de Cristo, Nossa Senhora de Fátima» insiste no poder do seu Imaculado Coração, a quem, diz: «quisemos, hoje, confiar os destinos do mundo…». E, dirigindo-se sempre à imagem de N. Sr.ª de Fátima, agradece: «Como Vos estamos gratos! Como Vos estamos reconhecidos! Que graça nos fizestes com esta Vossa presênça, direi, pessoal!»

          -26 de Março: durante o almoço com o Bispo de Leiria, João Paulo II entrega nas mãos de D. Alberto Cosme do Amaral, como oferecimento a Nossa Senhora do Rosário de Fátima, a bala que, ao passar muito perto da artéria aorta, quase o liquidara no atentado de 1981. Esta mesma bala encontra-se, hoje, incrustada na coroa de ouro e pedras preciosas com que a imagem foi coroada em 1946, e que é usada nos dias das peregrinações mais solenes. O resto deste dia, passa-o a imagem, por desejo de João Paulo II, na Basílica de São João de Latrão -igreja própria do Bispo de Roma, e primeira igreja cristã a ser erigida em todo o mundo. A imagem da Capelinha das Aparições vai, ainda, para o Santuário do Divino Amor, perto de Roma, e daí regressa a Portugal no dia 27.

          -13 de Maio: Decreto da Sagrada Congregação dos Bispos agregando o título de Fátima à Diocese, e ao Bispo, de Leiria. Num telegrama-mensagem aos peregrinos reunidos na Cova da Iria, João Paulo II afirma que «os apelos da Senhora da Mensagem» são para «este fim de século» e pede a vitória do «bem contra o mal (…) na perspectiva do terceiro milénio».

          -Agosto: Vittorio Messori, em entrevista feita ao Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Cardeal Joseph Ratzinger, publicada em livro (Diálogos sobre a Fé) no ano seguinte, obtém declarações do Cardeal a propósito da terceira parte do segredo de Fátima. O que aí é referido passo a citá-lo:

«Pergunto-lhe: “Cardeal Ratzinger, o senhor leu o assim chamado ‘terceiro segredo de Fátima’, aquele que foi enviado a João XXIII por Irmã Lúcia, a única sobrevivente do grupo dos videntes, e que o Papa, após o ter examinado, entregou ao seu antecessor [antecessor de Ratzinger], o Cardeal Ottavani, para que o guardasse nos arquivos do Santo Ofício?”

A resposta é imediata e seca: “Sim, li”.

“Circulam pelo mundo”, continuo eu, “versões jamais desmentidas que descrevem o conteúdo desse ‘segredo’ como inquietante, apocalíptico e anunciador de terríveis sofrimentos. O Próprio João Paulo II, na sua visita pastoral à Alemanha, pareceu confirmar, embora com prudentes circunlóquios, privadamente e com um grupo de convidados qualificados, o conteúdo desse texto, certamente não-confortador. Antes dele, Paulo VI, na sua peregrinação a Fátima, parece ter acenado também aos temas apocalípticos do ‘segredo’. Por que se decidiu não o tornar público, o que evitaria suposições fantasiosas?

“Se até agora não se tomou essa resolução”, responde ele, “não é porque os Papas queiram esconder algo de terrível”.

Portanto, insisto eu, algo de “terrível”, há naquele manuscrito de Irmã Lúcia? “Mesmo que houvesse”, replica ele, evitando avançar demais no assunto, “pois bem, isso só faria confirmar a parte já conhecida da mensagem de Fátima. Desse lugar foi lançado um sinal severo, que investe contra a falta de reflexão reinante, um apelo à seriedade da vida e da história, uma recordação dos perigos que pairam sobre a humanidade. É o que o próprio Jesus lembra muitíssimas vezes, não temendo dizer: ‘Se não vos converterdes, perecereis todos’ (Lc, 13,3). A conversão -e Fátima recorda-o plenamente- é uma exigência perene da vida cristã. Devíamos já sabê-lo, da própria Escritura toda inteira.”

Portanto, nenhuma publicação por enquanto?

“O Santo Padre julga que não acrescentaria nada ao que um cristão deve saber pela Revelação e, também, pelas aparições marianas aprovadas pela Igreja em seus conteúdos conhecidos, que não fazem senão confirmar a urgência da penitência, da conversão, do perdão e do jejum. Publicar o ‘terceiro segredo de Fátima’ significaria também expor-se o seu conteúdo ao perigo de utilizações sensacionalistas.”

 Também, talvez, implicações políticas, arrisco eu, visto que, como nos dois outros ‘segredos’, parece que também neste a Rússia é mencionada?

Neste ponto, porém, o Cardeal afirma não querer avançar mais no assunto e se recusa com firmeza a abordar outros detalhes.»

          -Ainda Em Outubro: são posicionados na República Democrática Alemã, pelos soviéticos, cem mísseis SS-20, como reacção ao estabelecimento dos Pershing pelos E.U.A..

          -Novembro: Ronald Reagan é reeleito Presidente dos E.U.A.. É estabelecido o programa de pesquisa para a defesa dos mísseis no espaço, a chamada Guerra das Estrelas.

 

1985: -11 de Março: logo após a morte de Chernenko,é eleito Secretário-Geral do Partido Comunista da U.S., aos 54 anos de idade, Mikhail Sergeyevich Gorbachev.

          -9 de Maio: Ronald Reagan, Presidente dos Estados Unidos da América, em visita oficial a Portugal, afirma na Assembleia da República referindo-se à vinda do Papa a Fátima, em 82: «Ousarei sugerir que no exemplo de homens como João Paulo II e nas orações de pessoas humildes como os pastorinhos de Fátima resideum poder  maior do que o de todos os grandes exércitos e estadistas do mundo

          -Novembro: em Genebra, primeira Cimeira entre Reagan e Gorbachev.

 

1986: -Fevereiro: Gorbachev anuncia no 27º Congresso do P.C.U.S., a introdução da Perestroika (reestruturação ou conversão) e da Glasnost (abertura).

 

1987: -1 de Janeiro: é anunciado em Roma a proclamação dum Ano Mariano para comemorar o bimilenário do nascimento de Maria.

          -25 de Março, festa da Assunção de N. Sr.ª: é publicada pelo Papa João Paulo II a Encíclica Redemptoris Mater (A Mãe do Redentor) toda ela sobre Maria.

          -6 de Junho: João Paulo II preside na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, a um Terço celebrado em união radiofónica e televisiva com dezassete Santuários Marianos dos cinco Continentes. Ao introduzir a primeira dezena, rezada em português, o Papa faz referência à Mensagem de Fátima, realçando a necessidade de oração pela Paz.

          -8 de Dezembro, festa da Imaculada Conceição: é assinado em Washington o Tratado I.N.F., entre os E.U.A. e a U.R.S.S., sobre o completo desmantelamento das armas nucleares de alcance intermédio. Ao comentar este acto disse Gorbachev: «Que Deus nos ajude!»

          -30 de Dezembro: é publicada a Encíclica Sollicitudo Rei Socialis (A Solicitude Social da Igreja), para comemorar os vinte anos da Populorum Progressio de Paulo VI (26/3/1967). (É curioso notar as inúmeras vezes que João Paulo II usa o termo «solidariedade», sempre, ou quase, escrito em itálico).

 

1988: -13 de Maio: preside à Peregrinação Aniversária o Cardeal da Cúria Romana, D. Luigi Dadaglio que na homilia formula esta questão: «Não constituirá um motivo de esperança a promessa de Maria em Fátima e a constatação mais visível, nestes últimos tempos, do aumento da devoção à Virgem Maria e da abertura à profissão e prática da vida cristã na pátria russa?»

          -15 de Agosto, festa da Assunção: encerramento do Ano Mariano.

          -18 de Setembro: em visita a Moçambique, o Papa consagra ao Imaculado Coração de Maria o «atribulado povo moçambicano».

          -Outubro: na sequência da reforma de Andrei Gromyco do cargo de Presidente da U.R.S.S., Gorbachev assume também a Presidência.

 

1989: -12 a 23 de Fevereiro: a pedido do Reitor do Santuário, Mons. Luciano Guerra, a Irmã Lúcia redige a Quinta Memória. Nesta, completa recordações da sua infância e da vida da sua família, nomeadamente a respeito do pai.

          -Fevereiro a Abril: na Polónia iniciam-se as conversações que levam a eleições livres e à plena democratização.

          -Março: na U.R.S.S., primeiras eleições gerais, desde 1917, para um Congresso dos Deputados do Povo, novo órgão constitucional, que reúne em:

          -Maio: onde Gorbachev é eleito, para um mandato de cinco anos, Presidente da U.R.S.S..

          -13 de Maio: o Bispo de Leiria-Fátima anuncia que, com esta data, o Papa assinou os decretos da heroicidade das virtudes dos videntes Jacinta e Francisco Marto, concedendo-lhes o título de «Veneráveis».

          -4 de Junho: em Pequim, em plena Praça da Paz Celestial, uma manifestação em massa de estudantes reclamando democracia, depois de terem erigido uma estátua à «deusa da Democracia», é brutalmente massacrada perante os olhos de todo o mundo.

          -Outubro: na R.D.A., dá-se a queda do líder comunista, Honecker.

          -9 de Novembro: dá-se a queda do Muro de Berlim, símbolo concreto da separação entre o Leste e o Ocidente desde há vinte e oito anos.

          -22 de Dezembro: em Berlim, dá-se a abertura da Porta de Brandenburg.

          -Ainda Em Dezembro: desaparece a República Popular da Polónia. E Mikhail Gorbachev encontra-se, pela primeira vez, com João Paulo II, no Vaticano. Gorbachev promete que no seu País haverá completa liberdade religiosa e é acordado o estabelecimento de relações diplomáticas com o Vaticano. (Ler declarações da Irmã Lúcia sobre Gorbachev na nota do ano de 1992: -11 de Outubro).

          -Sucedem-se, ainda este ano e ao longo de 1990, profundas mudanças noutros Países Satélites da U.R.S.S. que culminam num vasto processo de democratização do Leste.

 

1990: -25 de Janeiro: durante o voo entre Roma e Cabo-Verde uma jornalista da Rádio Renascença interroga João Paulo II sobre se os actuais «acontecimentos de Leste» foram previstos por N. Sr.ª, em Fátima. O Papa responde: «Devemos distinguir entre o saber da ciência e o da fé; teologicamente sabemos que Maria é mãe dos homens e dos povos e por isso tudo quanto na Europa Central e Oriental acontece em beneficio dos direitos humanos pode atribuir-se à sua solicitude de Mãe. As revelações de Fátima estão de acordo com a fé, mas sem entrar em pormenores. Por outro lado, também os grandes peritos da doutrina da fé ficam muito contentes se vêem que uma certa palavra ou uma certa promessa, passados anos, se verifica, em qualquer modo, em qualquer medida (Ler as declarações do Papa, quiçá mais explícitas, nas notas do ano de 1991: -12, 13 e 15 de Maio e; no ano de 1994).

          -Ainda Em Janeiro: é dissolvido o Partido dos Trabalhadores Polacos (comunista).

          -13 de Maio: preside à Peregrinação o Cardeal Joachim Meisner, oriundo da ainda R.D.A.. Na sua homilia afirma: «Eu gostaria hoje, também em nome dos cristãos dessa região da Europa, de agradecer a Maria que, partindo de Fátima, tomou debaixo da sua especial protecção o Leste Europeu, outrora tão cristão. E vim a Fátima para agradecer aos Portugueses terem recebido Maria para esta obra de conversão

          -3 de Outubro: fim da República Democrática Alemã, que tinha sido proclamada em Outubro de 1949, com a junção dos seus Estados aos da República Federal da Alemanha. É a «impensável» reunificação da Alemanha.

          -13 de Outubro: preside à Peregrinação, desta vez, o Primaz da Hungria, Cardeal László Paskai, que vem acompanhado por outros Bispos, Padres e Leigos do seu País. Na homilia diz: «Os acontecimentos ocorridos não podem ser explicados por factores puramente humanos. Os políticos crentes também reconhecem que se pode ver a mão de Deus nestas mudanças. Nós, porém, estamos certos de que se cumpre a promessa de Nossa Senhora, sendo estas mudanças o resultado da sua intercessão (…) Quero manifestar aqui, no Santuário de Fátima, a minha mais profunda convicção de que sentimos a intervenção da Santíssima Virgem

          -27 de Outubro: João Paulo II dá a notícia da sua segunda peregrinação a Fátima «a fim de agradecer a Nossa Senhora a protecção dada à Igreja nestes anos, que registaram rápidas e profundas transformações sociais (…)» e ainda pelo «desejo de renovar a minha gratidão pela especial protecção da Virgem Mãe que me salvou a vida no atentado de há dez anos (…)» Deslocou-se ainda o Papa aos Açores e à Madeira.

 

1991: -18 de Janeiro a:

          -28 de Fevereiro: Guerra do Golfo para a libertação do Kuwait, que tinha sido invadido pelo Iraque a 2 de Agosto de 90.

          -1 de Maio: publicação da Centesimus Annus, para celebrar os cem anos da já referida Encíclica de Leão XIII,Rerum Novarum. No Capítulo III, apenas intitulado «O Ano de 1989», João Paulo II faz uma análise sobre «oinesperado e promissor alcance dos factos dos últimos anos». (Vale a pena reler!)

          -10 de Maio: João Paulo II chega a Portugal, pela segunda vez, e celebra Missa no Estádio do Restelo, simbolicamente perto do Padrão das Descobertas, da Torre de Belém, e do Mosteiro dos Jerónimos. Na homilia, o Papa faz um forte apelo a Portugal para se relançar na Missão.

          -11 de Maio: nos Açores celebra a Missa em Angra, e celebra a Palavra em Ponta Delgada.

          -12 de Maio: na Madeira celebra a Missa e depois, já em Fátima, preside à Vigília Mariana. É a peregrinação dum Papa, enquanto tal, à Cova da Iria. Na homilia desta noite, como que estabelece um nexo de causalidade entre o Acto de Consagração feito em Roma em 1984, perante a imagem da Capelinha, e os acontecimentos do Leste, ao afirmar: «Naquele memorável dia 25 de Março de 1984, Vós, ó Mãe Santa, dignastes-Vos fazer-nos a graça da Vossa Visita a nossa Casa, a Basílica de São Pedro, para quase visivelmente depormos no Vosso Coração Imaculado o nosso Acto de consagração do mundo, da grande família humana, de todos os povos. Hoje, com esta multidão de irmãos, vim junto do Vosso Trono aclamar-Vos: Salve, ó Mãe Santa! Salve, ó Esperança segura que nunca decepciona! Totus tuus, ó Mãe! Obrigado, Celeste Pastora, por teres guiado com carinho maternal os povos para a liberdade!»

          -13 de Maio: no Discurso à Conferência Episcopal, em Fátima, refere o Papa que «Da Cova da Iria parece desprender-se uma luz consoladora cheia de esperança que diz respeito aos factos que caracterizam o fim deste segundo milénio E na homilia da Missa da Peregrinação: «’Mulher, eis o Teu filho!’ -‘Eis a tua Mãe!’ (Jo 19, 26-27) O Santuário de Fátima é um lugar privilegiado, dotado dum valor especial: contém em si uma mensagem importante para a época que estamos a viver. É como se aqui, no inicio do nosso século, tivessem ressoado, com um novo eco, as palavras pronunciadas no Gólgota E no Acto de renovação da consagração, a , reafirma: «Uma vez mais nos dirigimos a Vós, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja, ajoelhados a Vossos pés aqui na Cova da Iria, para vos agradecer por tudo quanto fizestes nestes anos difíceis pela Igreja, por cada um de nós e pela humanidade inteira (…) Vós mostrastes ser mãe: (…) Mãe das Nações, pelas mudanças inesperadas que restituíram a confiança a povos longamente oprimidos e humilhados; (…) Minha terna Mãe de sempre, mas de modo particular naquele 13 de Maio de 1981 em que senti junto a mim a Vossa presença salvadora (…)»

          -15 de Maio: na Audiência Geral, no Vaticano, mais uma referência do Papa: «Considero todo este decénio [de 81, ano do atentado, até ao presente ano de 91] como dom gratuito que, de modo especial, devo à Providência divina. Foi-me concedido particularmente como um dever, para que ainda pudesse servir a Igreja, exercendo o ministério de Pedro.» E mais à frente: «‘O Reino de Deus está próximo; convertei-vos e acreditai no Evangelho’ (Mc 1, 15). Os acontecimentos que ocorreram durante esta década no nosso Continente europeu, especialmente na Europa Central e Oriental, conferem nova actualidade a este apelo evangélico, no limiar do terceiro milénio. Tais acontecimentos também obrigam a pensar, de modo particular, em Fátima E num resumo desta alocução, em português, feito pelo próprio Papa: «…há dez anos o Senhor salvou misericordiamente a minha vida, e nos anos seguintes vimos nações inteiras reencontrarem a liberdade e a Boa Nova de Jesus Cristo (…)»

          -28 de Junho: é desintegrado o COMECON (Conselho para a Assistência Económica Mútua, dos países do Leste, fundado em 1949) na sua última sessão plenária em Budapeste.

          -Ainda em Junho: Boris Yeltsin, através de eleições directas, é eleito Presidente da República Federal Socialista Soviética da Rússia, a maior e mais importante da ainda existente União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

          -1 de Julho: é oficialmente dissolvido o Pacto de Varsóvia, fundado em 1955.

          -19 de Agosto, 74º aniversário da 4ª aparição de N. Sr.ª: na Rússia, tentativa de golpe de estado realizada pelos “conservadores” contra Gorbachev,  que o retêm preso por três dias.

          -22 de Agosto, festa de N. Sr.ª Rainha: Gorbachev retoma o cargo de Presidente da U.R.S.S., em parte devido à decidida acção de Boris Yeltsin. Segue-se, quase de imediato, a demolição e extinção do Partido Comunista da União Soviética.

          -Ainda Em Agosto: inicia-se a guerra civil na ex-Jugoslávia.

          -1 de Outubro: na ainda U.R.S.S. é proclamada a total liberdade religiosa.

          -12 e 13 de Outubro: Primeira Peregrinação Oficial da Rússia ao Santuário de Fátima, presidida pelo primeiro Arcebispo católico da Rússia Europeia, Mons. Tadeus Kondrusiewicz. Uma cadeia de televisão portuguesa e russa transmite as cerimónias para a Rússia, a par de um programa especial.

          -8 de Dezembro, festa da Imaculada Conceição: os líderes da Rússia, Ucrânia, e da Bielo-rússia, encontram-se em Minsk e anunciam o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, e anunciam, ainda, o estabelecimento duma Comunidade de Estados Independentes.

          -21 de Dezembro: representantes de onze das doze antigas Repúblicas que restam (após a independência da Estónia, da Lituânia e, da Letónia), encontram-se em Alma-Ata para confirmar o fim da U.R.S.S.. Acordam em que a dissolução formal da União terá lugar a 31 de Dezembro.

          -25 de Dezembro, solenidade do Natal do Senhor: Gorbatchev resigna como último Presidente da U.R.S.S..

          -26 de Dezembro: o parlamento soviético reconhece a dissolução da U.R.S.S..

          -31 de Dezembro, véspera da solenidade de Santa Maria Mãe de Deus: desaparecimento jurídico e formal da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, sessenta e nove anos depois de ter sido formada a 30 de Dezembro de 1922.

 

1992: -1 de Março: no jornal italiano La Stampa, com o exclusivo para Portugal no Público (5/3/92), é publicado um artigo de Gorbachev «Sobre o Papa de Roma». Passo a citar algumas frases de Gorbachev a respeito de João Paulo II: «Existe entre nós um sentimento de simpatia e de compreensão mútua (…) Não posso deixar de referir a vontade recíproca de avançar e de concluir o que iniciámos juntos. Por minha parte, gostaria de não desperdiçar qualquer possibilidade de prosseguir a cooperação com o Papa (…) Há nelas [nas relações entre ambos] algo de intuitivo, de muito pessoal e importante. (…) Junto dele senti e compreendi o seu papel na criação do que mais tarde se designou, no meu país, por ‘novo pensamento político’. (…) Continuo convencido de que a afinidade espiritual que se tinha estabelecido entre nós tinha conotações muito mais profundas do que a nossa origem eslava. Agora já pode afirmar-se que tudo o que aconteceu na Europa Oriental, nos últimos anos, teria sido impossível sem o esforço do Papa, sem o enorme papel, também politico, que desempenhou na cena mundial. (…) Me impressionaram ainda as suas qualidades humanas. É uma pessoa extraordinária. Sem querer exagerar, tenho a impressão de que irradia uma energia que infunde uma enorme confiança

Quando um repórter do La Stampa foi entregar, a pedido do próprio Gorbachev, o artigo em mão ao próprio Papa, obteve de João Paulo II as declarações de que passo alguns excertos (Público de 5/3/92): «Estas palavras são sinceras e confirmam-me aquilo que sempre pensei de Gorbachev: é um homem digno. (…) É verdade houve entre nós qualquer coisa de instintivo, como se já nos conhecêssemos. E eu sei porquê: o nosso encontro foi preparado pela Providência. (…) Tenho uma recordação muito intensa e precisa do encontro com Mikhail Gorbachev, quando aqui esteve em visita. Creio que é um homem de princípios, muito rico espiritualmente. Um homem carismático, que teve, sem qualquer dúvida, uma influência determinante nos acontecimentos do Leste europeu. Ele não se afirma crente; mas comigo, lembro-me bem, falou da importância que atribuía à oração, à dimensão interior do homem. Creio, mesmo, que o nosso encontro foi preparado pela Providência. (…) Se alguma coisa pode ser atribuída ao Papa, é fruto da sua fidelidade -fidelidade a Cristo e ao homem. (…) Temos, de facto, de reavaliar de forma aprofundada os recentes acontecimentos; temos, de facto, de individualizar as verdadeiras causas de alguns fenómenos que se verificaram. Há, por exemplo -como Popper- quem esteja convencido de que as dificuldades económicas estão na origem de crises dos sistemas comunistas da Europa Oriental. É certo que este factor existe e tem o seu peso. Mas não devemos esquecer uma coisa muito importante: não houve apenas uma crise do comunismo, houve uma ‘perestroika’. E ‘perestroika’, entre muitas outras coisas, quer também dizer ‘conversão’. Quer dizer que existe, na crise e na ruptura, na sublevação que sobreveio e está em curso, um elemento espiritual, uma mudança interior. Além disso era assim que tinha de ser, não podia ser de outro modo. O homem é composto por dois elementos e seria errada qualquer interpretação exclusivamente espiritual dos acontecimentos do Leste, da mesma forma que o seria uma interpretação estritamente material, incapaz de ver para lá da dimensão puramente económica da crise. O homem é isso espírito encarnado. (…) Quando em 1978 me tornei Papa, não pensava poder realmente assistir a uma transformação tão radical como aquela que se operou em torno da Europa Oriental. Não pensava porque era impensável. E não só então: também naquele e tão grande inesquecível 1989, o ano da ‘revolução de veludo’ -como a definiu o Presidente checoslovaco Havel. Isso foi um sinal, um indício, um esboço daquilo que estava para vir.»

          -13 de Maio: 75º Aniversário das aparições.

          -11 de Outubro: segundo uma publicação de Carlos Evaristo, por ele editada (nº 16 da Bibliografia), neste dia, no Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, a Irmã Lúcia em entrevista com o Cardeal Padiyara de Ernaculam e com o Bispo Michaelappa de Mysore, ambos da Indía, faz as declarações que cito a seguir. A propósito da Rússia diz Lúcia: «A maioria dos Bispos estava unida ao Papa neste Acto [de Consagração, em 1984, em Roma].O povo de todo o mundo, em cada diocese estava unido aos Bispos e os Bispos, por sua vez, ao Papa. Então, esta Consagração foi uma grande união do Povo de Deus. Foi tudo isto que contribuiu para que esta consagração fosse aceite (…) «A intenção do Papa era a Rússia quando ele disse: ‘Aqueles povos…’ no texto da Consagração de 1984.» (…) «Sim [a conversão da Rússia já se realizou]. As notícias falam por elas.» (…) «Nossa Senhora nunca disse isso [que a conversão da Rússia fosse a conversão do povo ao Catolicismo]. Existem muitas más interpretações por aí. O facto é que na Rússia o poder comunista e ateísta impedia o povo de praticar a sua fé. As pessoas agora estão livres para escolher, e de facto muitas conversões estão a acontecer; e aquele homem na Rússia, [referindo-se a Gorbachev] sem saber, foi um instrumento de Deus na conversão…» E, segundo o mesmo Carlos Evaristo, a Irmã Lúcia afirmou, referindo-se de novo a Gorbachev, que «quando visitou o Santo Padre em Roma, ele ajoelhou-se aos pés dele pedindo perdão por todos os crimes que ele tinha cometido na sua vida.» Esta última afirmação atribuída a Lúcia foi, posteriormente, rectificada pela Santa Sé. E sobre a terceira parte do segredo de Fátima afirma Lúcia: «…Não é para ser revelado. É só para o Papa e a hierarquia imediata da Igreja (a quem Ele decida confiar)(…) «Nossa Senhora disse que [a terceira parte do segredo] era para o Papa E ainda sobre a terceira parte do segredo: «O Papa pode revelá-lo se Ele quiser, mas eu aconselho-O a não revelar. Se Ele decidir fazê-lo, eu aconselho muita prudência. Ele tem de ser prudente

 

1993: -25 de Março: ainda a pedido do Reitor do Santuário, Mons. Luciano Guerra, a Irmã Lúcia conclui a redacção da Sexta Memória também sobre a sua vida em família, mas particularmente sobre sua mãe.

          -11 de Outubro: toma posse o 4º Bispo de Leiria, D. Serafim de Sousa Ferreira e Silva.

 

1994: -no livro/entrevista de João Paulo II, Atravessar o Limiar da Esperança, editado por Vittorio Messori, no capítulo 20, intitulado «Era uma vez o Comunismo», afirma o Papa: «(…) E que dizer das três crianças portuguesas de Fátima, que, de improviso, em vésperas da explosão da Revolução de Outubro, ouviram: ‘A Rússia converter-se-á’ e ‘Por fim , o meu Coração triunfará’…? Não é possível terem sido elas a inventar tais predições. Não conheciam a história nem a geografia, e ainda menos se orientavam em matéria de movimentos sociais e de desenvolvimento de ideologias. E, todavia, aconteceu exactamente o que haviam anunciado. Talvez por isso o Papa tenha sido chamado de ’um País distante’, talvez por isso fosse necessário  que se desse o atentado na praça de São Pedro, precisamente a 13 de Maio de 1981, aniversário da primeira aparição em Fátima, a fim de que tudo isto se tornasse mais transparente e compreensível, a fim de que a voz de Deus, que fala na história do homem, mediante os ‘sinais dos tempos’, pudesse ser mais facilmente ouvida e compreendida E no capítulo 34, intitulado «Para não ter Medo», diz ainda João Paulo II: «Enquanto entrava nos problemas da Igreja universal, com a eleição para Papa, trazia em mim uma convicção semelhante: isto é, que, também nesta dimensão universal, a vitória, se vier, será trazida por Maria. Cristo vencerá por meio d’Ela, porque Ele quer que as vitórias da igreja no mundo contemporâneo e no mundo futuro estejam unidas a Ela. Tinha, pois, tal convicção, mesmo se na altura sabia ainda pouco de Fátima. Pressentia, contudo, que havia uma certa continuidade, a partir de La Salette, através de Lurdes, até Fátima. E, no passado longínquo, na nossa Polónia, Jasna Góra. E eis que chega 13 de Maio de 1981. Quando fui ferido pelo projéctil do autor do atentado na praça de São Pedro, não me apercebi logo do facto de que aquele era precisamente o aniversário do dia em que Maria havia aparecido às três crianças em Fátima, em Portugal, dirigindo-lhes aquelas palavras que , com o fim do século, parecem aproximar-se do seu cumprimento

          -15 de Novembro, no contexto da Peregrinação à Terra Santa, comemorativa do 70º Aniversário dos Servitas de N. Sr.ª de Fátima: em Jerusalém, após a Via Sacra e já dentro da Basílica do Santo Sepulcro, enquanto aguardávamos a entrada no Sepulcro própriamente dito (a 14ª Estação da Via Sacra) apareceu um pequeno grupo de três ou quatro senhores vestidos de fato escuro e gravata, acompanhados por uma guia-interprete e por um homem portador duma camâra-video profissional. Alguém dissera que se tratavam de governantes russos. De facto falavam uma língua eslava que nos pareceu ser russo. Ao abordá-los, falando inglês, perguntei:

          -São do governo russo?

          -Sim, somos. Diz a guia-interprete dirigindo-se para mim.

          -Deus vos abençoe! Disse eu.

          -Obrigado. Muito obrigado. Retorquiram sensibilisados e, interrompendo a nossa fila de espera (no Sepulcro propriamente dito, não cabem mais de três ou quatro pessoas à vez) lá entraram e se demoraram uns largos minutos. Foi então que, durante este tempo de espera, peregrinos do grupo dos Servitas, dando-se conta da presença das personalidades russas, pediram que lhes fosse entregue um Terço de Fátima. Já fora do Sepulcro, mas ainda no interior da Basílica, na iminência da sua partida e com os seguranças a quererem puxá-los para fora, a Servita Maria Teresa Corrêa d’Oliveira entregou-lhes um Terço que lhe era muito querido, dizendo:

          -É o melhor que lhes posso dar neste momento!

           Como diz Rui Corrêa d’Oliveira, filho de Maria Teresa e também Servita, no relato da Peregrinação (publicado no Boletim da Associação dos Servitas nº 64, de Fevereiro de 94, pág. 30) «junto ao Sepulcro de Cristo, pedra da Ressurreição, a Rússia reencontra-se com Fátima! Não sabemos o que terão levado no seu coração. De nós levaram um Terço de Fátima (…) Não me falem em coincidências.»

 

1996: -1 de Janeiro: por ordem do Papa João Paulo II, através dum Decreto da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, a celebração do Imaculado Coração de Maria é inscrita doravante no Calendário Romano Universal com a categoria de memória obrigatória em vez de memória facultativa, tornando-se assim obrigatória em toda a Igreja.(cf. com nota do dia 2 de Dezembro de 1940).

          -13 de Maio: 50º Aniversário da coroação solene da imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, como Rainha do Mundo, por um Legado do Papa. A mesma imagem que, naquele mês de Maio de 1920, saiu de Torres Novas em direcção a Fátima escondida entre alfaias agrícolas, num carro puxado por uma mula; e que, no dia 13 de Junho seguinte, entrou pela primeira vez, na pobríssima Capelinha das Aparições, na Cova da Iria. A mesma imagem que, em 1984, o próprio Papa pediu que fosse enviada à Sé de Pedro em Roma para, perante ela, consagrar solenemente todo o mundo e toda a humanidade ao Imaculado Coração de Maria.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA:

 

 

Do Magistério da Igreja:

 

1-Alocução do Papa Paulo VI no Encerramento da 3ª Sessão do Concílio em 21 de Novembro de 1964. Vaticano II, Documentos Conciliares, 3ª Edição, União Gráfica, Lisboa, 1972, págs. XLIX a LI.

 

2-Discursos do Papa João Paulo II em Portugal. Edição da C.E.P., Lisboa, Maio de 1982.

 

3-Cardeal Ratzinger. Diálogos Sobre a Fé, Apresentados por Vittorio Messori. Editorial Verbo, Lisboa, 1985, págs 89 a 92.

 

4-Discursos do Papa João Paulo II em Portugal. 2ª Edição do Secretariado Geral do Episcopado e Editora Rei dos Livros, Lisboa, Maio de 1991.

 

5-João Paulo II. Atravessar o Limiar da Esperança, Editado por Vittorio Messori. Tradução de Edições Temas da Actualidade, S.A., Lisboa, 1994.

 

 

Sobre Fátima:

 

6-Cónego C. Barthas. Fátima: Os Testemunhos e Os Documentos. Editorial Aster, Lisboa, 1966.

 

7-Sebastião Martins dos Reis. Síntese Crítica de Fátima: incidências e repercussões. Edições Salesianas, Fátima, 1967.

 

8-Memórias da Irmã Lúcia. 3ª Edição. Postulação, Fátima. Maio de 1978.

 

9-Joaquin Maria Alonso. O Dr. Formigão -Homem de Deus e Apóstolo de Fátima. Oficinas da Gráfica de Coimbra. Fátima 1979.

 

10-P. Januário dos Santos. A Mensagem de Fátima e os Papas. Edição JANISAN, Cucujães, Abril, 1986.

 

11-Memórias da Irmã Lúcia. 6ª Edição. Vice-Postulação, Fátima. Março de 1990.

 

12-Padre João De Marchi. Era Uma Senhora Mais Brilhante que o Sol. 13ª Edição. Edições Missões Consolata. Fátima, 1991.

 

13-Documentação Crítica de Fátima -I Interrogatórios aos videntes. 1ª Edição. Santuário de Fátima. Fátima, Agosto de 1992.

 

14-Vários Autores. Fátima * 75 Anos. Edição da Comissão Central das Comemorações do 75º Aniversário das Aparições de Nossa Senhora de Fátima. Santuário de Fátima, Setembro de 1992.

 

15-Maria da Encarnação Vieira Esteves, R.F.. Apóstolo de Fátima - Cón. Manuel Nunes Formigão. 1ª Edição. Editorial A. O.-Braga, Junho de 1993.

 

16-Carlos Evaristo. Duas Horas com a Irmã Lúcia. 1ª Edição em Língua Portuguesa. Edição do Autor. Fátima, 1994.

 

17-Rui Corrêa d’Oliveira, in Boletim. Nº 64. Edição da Associação dos Servitas de Nossa Senhora de Fátima. Santuário de Fátima. Fevereiro, 1994.

 

18-Memórias da Irmã Lúcia II. 5ª e 6ª Memória. Vice-Postulação, Fátima. Março de 1996.

 

 

Sobre a Virgem Maria, em geral:

 

19-Fernando de Castro Pires de Lima (Direcção Literária) e outros. A Virgem e Portugal. Vols. I e II. Edições Ouro, LDA., Porto, s/data, mas não anterior a 1967.

 

20-Vários Autores. Maria Mãe de Jesus. Vols I e II. Tradução das Edições Paulistas. Lisboa, Vol. I 1988 e Vol. II 1989.

 

 

Sobre História da Igreja:

 

21-Francoise Ladouès. Breve Histoire de L’Eglise Catholique. Ed. Desclée de Brouwer. Paris, 1988.

 

22-Padre Miguel de Oliveira com actualização do Padre Artur Roque de Almeida. História Eclesiástica de Portugal. Publicações Europa-América. Mem Martins, 1994.

 

 

Sobre História Mundial:

 

23-The Penguin Atlas of World History. Vol. II. Penguin Books Ltd. 1ª Tradução do alemão 1978, reimpressa em 1985. E nova edição actualizada em 1995.

 

24-J. M. Roberts. The Penguin History of The World. Penguin Books Ltd. England, 1995.

 

25-Vários Autores. Na Revista L’HISTOIRE, Dossier: 1917: Quand La Révolution Russe Ébranle Le Monde, nº 206, de Janeiro de 1997; e Dossier: 1947: Le Monde Entre Dans La Guerre Froide, nº209, de Abril de 1997. Société D’Éditions Scientifiques, Paris.

 

 

 

Sobre História de Portugal:

 

26-A. H. de Oliveira Marques. História de Portugal. Vols. I, II e III. Palas Editores, Lisboa. Vol. I 10ª Ed. 1982. Vol. II 9ª Ed. 1983. Vol. III 2ª Ed. 1981.

 

27-Joaquim Veríssimo Serrão. História de Portugal. Vols. I, V, X, XI, e XII. Editorial Verbo, Lisboa. Vol. I 3ª Ed. 1979. Vol. V 2ª Ed. revista 1982. Vol. X 2ª Ed. revista 1990. Vol. XI 1ª Ed. 1989. Vol.XII 1ª Ed. 1990.

 

28-José Mattoso (Direcção) e outros. História de Portugal. 1º Vol. -Antes de Portugal, 6º Vol. -A segunda Fundação (1890-1926). 7º Vol. -O Estado Novo (1926-1974). 8º Vol. -Portugal em Transe (1974-1985). Círculo de Leitores. 1º Vol. 1ª Ed. 1992, todos os outros referidos: 1ª Ed. 1994.

 

 

Imprensa:

 

29-Mikhail Gorbachov. O papel político do Papa eslavo. Jornal Público, em exclusivo para Portugal, edição de 5 de Março de 1992, pág. 20.

 

30-na mesma edição do Público, em exclusivo para Portugal: -O Papa reage à crónica de Gorbachov. Entrevista do repórter do La Stampa, pág. 21.

 

 

Multimédia:

 

31-na Encarta 96 Encyclopedia -World English Edition. Microsoft Corporation, U.S.A., 1996. Os artigos seguintes: Russian Revolution; Union of Soviet Socialist Republics; Commonwealth of Independent States (CIS); Reagan, Ronald W(ilson); Gorbachev, Mikhail Sergeyevich; Paul VI; John Paul I; John Paul II.

 

 

 

 

João Duarte Bleck, a quem ocorreram muitas graças em Fátima, iniciou esta «Cronologia»,

durante o mês de Maria, no 1996º ano do Senhor

 

-350º Aniversário da proclamação, pelo rei D. João IV, de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal e, do juramento solene nas Cortes, da defesa da Sua Imaculada Conceição;

-80º Aniversário das Aparições do Anjo de Portugal em Aljustrel-Fátima e;

-50º Aniversário da coroação de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, como Rainha do Mundo.